[e-News] Depois de 500 anos, a Igreja Católica reconhece que Lutero estava certo: “O justo viverá pela Fé”.

Cidade do Vaticano (RV) – Realiza-se nesta quarta-feira (05/07), em Wittenberg, na Alemanha, a cerimônia onde a Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas assinará a Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação, importante passo rumo à unidade dos cristãos.

Wittenberg é a cidade onde nasceu a Reforma, em 1517, quando Martinho Lutero apresentou suas 95 teses contra as indulgências.

A nota divulgada, esta segunda-feira (03/07), pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos ressalta que “a Doutrina da Justificação, por graça através da fé, está no centro do Evangelho”.

“O acordo sobre a interpretação de como a salvação trazida por Cristo realmente age no pecador é de extrema importância para os progressos ecumênicos. As Igrejas Reformadas afirmam agora que o consenso sobre as verdades fundamentais da Doutrina da Justificação é conforme à doutrina reformada. Portanto, uma das questões cruciais que causaram o dissenso entre reformadores e autoridades da Igreja Católica no século XVI foi desarmada e resolvida. Isso ajuda no progresso de uma maior comunhão espiritual e eclesial entre protestantes e católicos.”

“Durante uma liturgia ecumênica, os responsáveis pela Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas irão aderir oficialmente à Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação na presença de delegados das Igrejas luterana, metodista e católica.”

O Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos será representado pelo Secretário, Dom Brian Farrell, e pelo Rev. Avelino Gonzalez, da seção ocidental do dicastério.

“Esse evento será mais um passo para o caminho rumo à unidade visível dos cristãos: não ainda a meta, mas uma fase significativa da viagem comum”, ressalta o texto.

No que diz respeito ao consenso ecumênico sobre essa doutrina fundamental, “as Igrejas Reformadas sublinham a importância da relação entre Justificação e compromisso com a justiça no mundo. A graça requer e exige boas obras na construção do Reino de Deus, um reino de justiça, paz e reconciliação. A Justificação leva à solidariedade para com as vítimas da exclusão social e à oposição aos sistemas de injustiças social e econômica.”

Segundo a nota, “ao entender de forma comum este imperativo cristão, católicos, luteranos, metodistas e reformados podem encontrar modalidades mais amplas e intensas de colaboração a serviço da humanidade sofredora”.

“Nesse sentido, os progressos ecumênicos no diálogo não são meramente um esforço acadêmico de especialistas no setor, mas têm um impacto positivo e concreto na maneira em que os cristãos de diferentes confissões vivem e trabalham juntos de maneira solidária e oferecem um testemunho comum do Evangelho na sociedade de hoje”, conclui a nota.

Radiovaticano

Anúncios

[e-News] Vaticano deseja governo único para o mundo

vaticano

O Conselho Pontifício para “Justiça e Paz” do Vaticano, propôs a criação de uma Autoridade Política Mundial e um Banco Central Mundial para favorecer os “mercados livres e estáveis“, diante a atual crise econômica.

Conforme explicado pelo dicastério do Vaticano, esta Autoridade deverá ter “um horizonte planetário” a serviço “do bem comum”, embora precise que esta autoridade “não pode ser imposta pela força, mas a expressão de um acordo livre e compartilhado” entre os países. “O exercício de uma autoridade assim terá que ser necessariamente super-partes”,destaca uma nota publicada pela Radio Vaticano.

Assim, a Santa Sé, sublinhou que os governos “não deveram servir incondicionalmente a autoridade global“, mas pelo contrário, essa autoridade deve estar a serviço de todos os países membros, segundo o principio de subsidiariedade”.

O Vaticano afirmou que o objetivo dessa autoridade será “criar mercados eficientes e eficazes para que não estejam protegidos por políticas nacionais paternalistas” e promover “uma equitativa distribuição de riqueza mundial”, mediante as formas inéditas de solidariedade fiscal global”.

No entanto, o Vaticano declarou que “ainda há um longo caminho para percorrer antes de criar uma autoridade pública com competência universal”, embora que será necessária “uma previa pratica do multilateralismo”. Segundo indica, a Organização das Nações Unidas seria responsável por criar esta autoridade mundial.

Além disso, o departamento do Vaticano ressaltou que a economia “necessita de ética para o seu correto funcionamento” e recuperar também “o primado do espiritual e a ética“, assim como “medidas das tributações das operações financeiras por meio de cotas justas” e para contribuir para “a constituição de uma reserva mundial e sustentar as economias dos países atingidos pela crise.”.

Portanto, o Vaticano tem pedido que se proceda a reforma “do sistema monetário internacional” para dar vida “a uma forma de controle monetário global” e salientou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) “perdeu sua capacidade de garantir a estabilidade financeira global. “

Assim, a Santa Sé afirmou que é necessário um organismo que desenvolva funções de “um banco central mundial que regule o sistema de câmbios monetários” e ajuste as atividades “bancarias e financeiras”.

Segundo explica a nota do dicasterio, a comunidade internacional deve criar um corpo legislativo “mínimo e compartilhado de regras” para gerenciar “o mercado financeiro global”.

Portal Padom

SUPLEMENTO

.

[e-News] Nova religião? Presidente iraniano deseja uma aliança com o Vaticano!

hassan

Islã + Vaticano = Religião Mundial? As peças estão se encaixando…

O presidente iraniano, Hassan Rohani, dirigiu-se ao Papa para “retomar o diálogo entre os mundos islâmico e cristão” e “uma aliança entre o Irã e a Santa Sé”, inclusive contra o terrorismo e o extremismo, indicou nesta sexta-feira a agência de notícias do Vaticano, Fides.

De acordo com a agência de notícias católica, o pedido de Rohani foi lançado no início desta semana em Teerã, por ocasião do seu encontro com o novo núncio apostólico, arcebispo Leo Boccardi.

De acordo com a agência Fides, o novo presidente moderado da República Islâmica publicou uma foto do encontro em seu Twitter e escreveu que “o Islã e o Cristianismo precisam de diálogo mais do que nunca”. “A raiz dos conflitos entre religiões é, sobretudo, a ignorância e a falta de compreensão mútua”, declarou.

Hassan Rohani acrescentou que a Santa Sé e o Irã têm “inimigos comuns”, como o terrorismo e o extremismo, e “objetivos similares”, como o desejo de superar a injustiça e a pobreza, relatou a agência.
O novo núncio, que apresentou no último domingo suas credenciais, expressou o desejo de que os dois Estados possam trabalhar juntos para resolver crises regionais no Oriente Médio, especialmente o conflito em curso na Síria, de acordo com a Fides.

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, insistiu que, dada a forte presença de grupos extremistas no terreno, “a situação das minorias religiosas na Síria, como cristãs, são motivo de preocupação para nós”.

Ansioso para sair do isolamento, o Irã lançou uma grande ofensiva marcada por várias aberturas, incluindo diplomáticas, desde a eleição do presidente Rohani. A aproximação com os Estados Unidos, o reconhecimento da realidade do Holocausto, o progresso na questão nuclear… A abertura para a Santa Sé também serve para fortalecer o Irã no cenário internacional, dada a popularidade do Papa Francisco.

A Santa Sé e os teólogos xiitas da Universidade de Qom mantém há tempos um diálogo caloroso e frutífero, muito mais substancial do que entre a Igreja Católica e várias autoridades sunitas.

E na Síria, os xiitas e suas comunidades minoritárias, como os alauítas, são geralmente favoráveis ao governo, assim como os cristãos, contra os extremistas sunitas muitas vezes financiados pelas monarquias do Golfo.

Fonte: AFP – Agence France-Presse e http://g1.globo.com/mundo/noticia

EU wants the Pope as head of new World “peace movement” (via News that matters)

Estarei traduzindo esse artigo pra vocês perceberem que estamos caminhando para uma ÚNICA religião ou Organização Ecumênica Religiosa no Planeta… e quem não estiver de acordo quando ela for estabelecida… vc sabe o que acontecerá!!! INQUISIÇÃO – O RETORNO.

EU wants the Pope as head of new World "peace movement" The European Union wants to adopt the Pope of Rome’s teaching on “Caritas in Veritate”. This is the pontiffs ideas on perspective of politics, economics and theology. To learn more from the Pope, the EU Parliament has arranged several seminar’s. The last one was organized by the … Read More

via News that matters

Tradução:

UE quer o Papa como cabeça do novo “movimento pela paz” mundial

A União Europeia quer adotar os ensinos do Papa de Roma sobre  “Caritas in veritate”(O amor da Verdade). Estas são idéias do Papa sobre as perspectivas de política, economia e teologia.

Para saber mais do Papa, o Parlamento da UE organizou vários seminários. O último foi organizado pelo Partido Popular Europeu, juntamente com a Comissão das Conferências Episcopais da Comunidade Europeia (COMECE).

O Parlamento Europeu tem também feeito disso uma tradição para organizar um encontro anual com todos os líderes religiosos na Europa. Este evento também é inspirado no bispo de Roma e seu esforço ecumênico de reunir pessoas de todas as religiões em um movimento pela paz mundial.

Estas reuniões anuais foram iniciadas pelo Presidente da Igreja Católica Portuguesa da Comissão Européia, José Manuel Durão Barroso em 2005.

Desde 2007, os representantes das igrejas e comunidades religiosas são recebidas pelos três presidentes das instituições européias.

Como foi sua última reunião?

Vamos ler um relatório da agência de notícias católica Zenit.

Este foi o apelo do Bispo Adrianus van Luyn, Presidente da COMECE, para os líderes da UE por ocasião da 6 ª reunião anual dos presidentes da UE com os líderes religiosos na Europa, que foi realizada em 19 de julho na Comissão Europeia.

A reunião foi organizada por José Manuel Barroso, Presidente da Comissão Europeia e co-presidido por Herman Van Rompuy, o presidente do Conselho Europeu e Jerzy Buzek, presidente do Parlamento Europeu. Foi dedicado à luta contra a pobreza e a exclusão social.

Cerca de vinte figuras importantes dentre os cristãos, religiões judaica e muçulmana, assim como da sikhs e hindus – provenientes de catorze Estados-Membros – se reuniram para discutir a importância de combater a pobreza e a exclusão social na perspectiva da governação europeia.

Meu comentário (do autor):

A melhor maneira de explicar o que está acontecendo, é apresentar a lista dos convidados para do jantar “ecumênico” das Uniões Européias .

Vamos dar uma olhada.

Os Presidentes da Comissão e o Parlamento discutiram o combate à pobreza e à exclusão social, com líderes religiosos europeus em 19 de julho de 2010
Lista de Participantes:

IGREJA ANGLICANA:

O reverendo Christopher Hill Direito,
Bispo de Guildford

IGREJAS DA REFORMA
Hochwürdigen Prälat Herrn FELMBERG Dr. Bernhard,
Bevollmächtigter des Rates der Kirche in Deutschland Evangelischen União bei der Europäischen,

Sua Excelência o Senhor Peter Skov-Jakobsen
Bispo de Copenhaga, a Igreja, Evangélica Luterana na Dinamarca

Sua Excelência Klátik Miloš,
Bispo da Igreja Evangélica de Confissão de Augsburgo, na Eslováquia

Monsieur le Docteur Pasteur Liagre Guy
Président du Synode de l’Église Protestante Unie de Belgique

CONFERÊNCIAS DAS IGREJAS EUROPÉIAS:
Filho Emmanuel Eminência Metropolitano de France
Président de la Conférence des Eglises européennes

Comunidades islâmicas:
Dr. Dalil Boubakeur
Recteur de la Grande Mesquita de Paris

Imam Bekir Alboğa
Islamische Türkisch União der Religion für Anstalt

Shaykh Ibrahim Mogra
Secretário-Geral Adjunto do Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha

Imame Yahya Pallavicini
Vice-Presidente de la Comunità religiosa Islamica

HINDU COMUNIDADES
Swami Maharaja Sivarama
Comissão de Administração da Sociedade Internacional para Consciência de Krishna

COMUNIDADES SIKH:
Mohinder Singh Bhai Sahib
Presidente do Guru Nanak Jatha Sewak nishkam

LÍDERES JUDEUS
Excelência Filho Rabino Gilles Bernheim Grande
Grande Rabino de França et Vice-Presidente de la Conférence des Européens Rabbins

Excelência Filho Guigi Albert Grande Rabino
O vice-presidente de la Conférence des Européens Rabbins

Sua Excelência o rabino Michael Schudrich
Rabino-Chefe da Polónia

Dayan Abraão Yonoson,
Juiz da Corte Rabínica do Rabinato Chefe da Sinagoga Unida do Reino Unido e da Commonwealth

IGREJAS ORTODOXAS 
Arcebispo de Atenas e de toda a Grécia 

Sua Eminência Simeão
Metropolitana da Europa Ocidental e Central und.
Igreja Ortodoxa da Bulgária

Filho Cardeal Joseph le Metropolitano
Representante de l’Eglise Orthodoxe Roumaine auprès des Instituições européennes

Sua Senhoria
Porfyrios Bispo de Nápoles
Representante da Igreja Ortodoxa de Chipre à UE

IGREJA CATÓLICA ROMANA

Sua Eminência o Cardeal Péter Erdö
Arcebispo de Esztergom-Budapeste
 

Sua Excelência Monsenhor Stanislas Zvolensky
O arcebispo de Bratislava

Sua Excelência o Senhor Dom Adrianus van Luyn
Bispo de Roterdão
Presidente da Comissão da Conferência Episcopal da Comunidade Europeia (COMECE)

Flaminia Giovanelli Dama,
Sotto-segretaria dello Pontificio Consiglio della della Giustizia e Pace