[Estudo Bíblico] Os perigos da Teoria da Evolução

INTRODUÇÃO

O evolucionismo tem levado grande parte da humanidade à des­crença no Criador. Esta teoria, frau­dulenta e diabólica, continua desa­fiando a Bíblia, o bom senso e a ver­dadeira ciência.

CURIOSIDADE

Caso queiram mais evidências científicas, além das bíblicas aqui expostas, por favor, assistam aos documentários abaixo:

I. A ORIGEM DA VIDA

1. O que diz a “falsa ciên­cia”.

O materialismo científico ex­plica que, além de a matéria ter surgido de uma “Grande Explosão”, a vida teve origem ao acaso. Isso é tão absurdo quanto acreditar que um monte de alumínio, ferro, plás­tico e fios possam se unir, aleatoria­mente, para formar um avião; ou que tijolos, cimento, ferro e telhas se juntem, também aleatoriamente, para formar um edifício.

É por isso que a Bíblia assevera a respeito dos ímpios:

“Por causa do seu orgulho, o ímpio não investiga; todas as suas cogitações são: Não há Deus” (Sl 10.4; 14. 1).

A explica­ção do materialismo quanto à exis­tência do Universo é um atentado contra a Palavra de Deus, mas con­tra esta não prevalece.

2. O que nos garante a Bíblia.

A vida é um milagre produzido diretamente por Deus. Ele criou o tempo, o mundo físico, os vegetais, os ani­mais e o homem à sua imagem, con­forme a sua semelhança (Gn 1.26, 27). A Bíblia sustenta esta verdade:

“Digno és, Senhor, de receber glória, e honra, e poder, porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade são e foram criadas” (Ap 4.11).

II.  ORIGEM DOS SERES VIVOS

1. O que diz a falsa teoria da evolução.

De acordo com o na­turalista inglês Charles Robert Darwin (1809-1882), a vida surgiu ao acaso. Segundo ele, o primeiro organismo vivo teria aparecido por uma casualidade há cerca de 3,5 bilhões de anos! Para que esse pro­cesso evolutivo se tornasse crível, Darwin elaborou algumas hipóteses.

a) A seleção natural.

De acordo com esse princípio, a natureza seleciona os que têm condições de sobrevi­ver e os que devem ser extintos atra­vés de uma competição pela sobrevi­vência. Ou seja: os mais fortes sobre­vivem e os mais fracos são eliminados.

b) As novas espécies.

Os evolucionistas crêem que os seres vivos passam por constantes mutações, transmitindo novas características a seus descendentes, dando origem a novas espécies.

2. Q que a Bíblia assegura.

“E disse Deus: Produza a terra erva ver­de, erva que dê semente, árvore frutí­fera que dê fruto segundo a sua espé­cie… Produzam as águas abundante­mente répteis de alma vivente; e voem as aves sobre a face da expansão dos céus. E Deus criou as grandes baleias e todo réptil de alma vivente que as águas abundantemente produziram conforme as suas espécies, e toda ave de asas conforme a sua espécie… Pro­duza a terra alma vivente conforme a sua espécie; gado, e répteis, e bestas-feras da terra conforme a sua espécie. E assim foi…” Tudo conforme a sua espécie (Gn 1.11,12,21,24).

Esta é a lei estabelecida pelo Cri­ador. Todos os animais vieram a exis­tir conforme a sua espécie, não ca­bendo, aqui, nenhum lugar para o evolucionismo:

“Pela palavra do Senhor foram feitos os céus; e todo o exército deles, pelo espírito da sua boca” (Sl 33.6; ver 2 Rs 19.15; Is 37.1 6; Ap 1 4.7).

Isto significa que o homem não evoluiu de animal algum, mas foi criado diretamente por Deus.

III. O QUE DIZ A VERDADEIRA CIÊNCIA

1. Sobre a seleção natural.

A biologia moderna prova que as vari­ações verificadas no ser humano ocorrem no DNA, e não apresentam qualquer evidência que sugira ter o homem se originado de organismos diferentes ou inferiores a si mesmo. Ou seja: a estrutura biológica do ser humano continua a mesma desde o dia em que Deus criou Adão e Eva.

2. Sobre novas espécies.

Não há qualquer evidência que compro­ve, ou indique, que novas espécies surgiram, ou estão surgindo. A fa­mília dos cães permanece a mesma, quer estejam esses animais vivos quer fossilizados. Uma espécie de planta jamais se transforma em outra. Uma ameba permanece sempre ameba, um gato sempre será gato; uma mosca será sempre mosca…

3. Não há elos perdidos.

Não há qualquer evidência que comprove a existência de formas transitórias entre as espécies nem dos chamados elos perdidos.

Todas as evidências confirmam a fixidez e constância das espécies, conforme o relato do Gêne­sis:

“E disse Deus: Produza a terra alma vivente, conforme a sua espécie; gado, e répteis, e bestas-feras da ter­ra conforme a sua espécie, E assim foi (Gn 1.24)

IV. A ORIGEM DO HOMEM

1. O que diz a falsa ciência.

Os cientistas ateus dizem que o homem surgiu através de uma seqüência evolutiva que, partindo de seres inferiores, resultou no macaco, do qual teria vindo o ser humano.

2. O que a Bíblia assegura.

“E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa seme­lhança;, E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou..” (Gn 1 26.27)

Deus criou os demais seres vivos mediante uma palavra (produ­za). Todavia, chamou o homem à existência de um modo bem diferente:

“Façamos o homem à nossa imagem conforme a nossa semelhança” (v.26)

Eis a verdadeira, definitiva e lógica ex­plicação da origem do ser humano.

CONCLUSÃO

A falsa ciência é de inspiração diabólica e tem por objetivo afastar as pessoas de Deus e de sua Palavra, que é a verdade eterna (Sl 119.160; Jo 17.17). Por conseguinte, não hou­ve qualquer processo evolutivo no aparecimento do homem; este veio a existir através de um ato criativo e imediato do próprio Deus.

Anúncios