[Off Toppic] Você sabia? “Vamos esperar os cadáveres para agir…?”

“Vamos esperar os cadáveres para agir contra o celular?”

devra davis

A epidemiologista Devra Davis lidera uma cruzada para fazer as pessoas deixarem o celular longe de suas cabeças. Convencida de que a radiação emitida pelo aparelho lesa a saúde, ela escreveu “Disconnect” (sem edição no Brasil), cuja base são pesquisas que começam a mostrar os efeitos dessa radiação no organismo. Nesta entrevista, ela também perguntou: “Vamos esperar as mortes começarem antes de mudar a relação com o celular?”.

Folha – Quais os riscos para a saúde de quem usa celular?
Devra Davis – Se você segurá-lo perto da cabeça ou do corpo, há muitos riscos de danos. Todos os celulares têm alertas sobre isso. As fabricantes sabem que não é seguro. Os limites [de radiação] definidos pelo FCC [que controla as comunicações nos EUA] são excedidos se você deixa o celular no bolso.

Quais os riscos, exatamente?
O risco de câncer é muito real, e as provas disso vão se avolumar se as pessoas não mudarem a maneira como usam os telefones. Trabalhei nas pesquisas sobre fumo passivo e amianto. Fiquei horrorizada ao perceber que só tomamos atitude depois de provas incontestáveis de que danificavam a saúde.
Reconheço que não temos provas conclusivas nesse momento. Escrevi o livro na esperança de que meu status como cientista tenha peso, e as pessoas entendam que há ameaça grave à saúde e podemos fazer algo a respeito.

Mas há estudo em humanos que dê provas categóricas?
Quando você diz “provas”, você quer dizer cadáveres? Você acha que só devemos agir quando já tivermos prova? Terei que discordar. Hoje temos uma epidemia mundial de doenças ligadas ao fumo. O Brasil também tem uma epidemia de doenças relacionadas ao amianto. Só recentemente vocês agiram para controlar o amianto no Brasil, apesar de ele ainda ser usado. Ninguém vai dizer que nós esperamos o tempo certo para agir contra o tabaco ou o amianto. Estou colocando minha reputação científica em risco, dizendo: temos evidências fortes em pesquisas feitas em laboratório mostrando que essa radiação danifica células vivas.

Qual a maior evidência disso?
A radiação enfraquece o esperma. Sabemos por pesquisas com humanos. As amostras de esperma foram dividas ao meio. Uma metade foi mantida sozinha, morrendo naturalmente. A outra foi exposta a radiação de celulares e morreu três vezes mais rápido. Homens que usam celulares por quatro horas ao dia têm a metade da contagem de esperma em relação aos demais.

Crianças correm mais perigo?
O crânio das crianças é mais fino, seus cérebros estão se desenvolvendo. A radiação do celular penetra duas vezes mais. E a medula óssea de uma criança absorve dez vezes mais radiação das micro-ondas do celular. É uma bomba-relógio. A França tornou ilegal vender celular voltado às crianças. Nos EUA, temos comerciais encorajando celular para crianças. É terrível. Fico horrorizada com a tendência de as pessoas darem celulares para bebês e crianças brincarem. Sabemos que pode haver um vício no estímulo causado pela radiação de micro-ondas. Ela estimula receptores de opioides no cérebro.

Jovens usam muitos gadgets que emitem radiação.
Sim, e eles não estão a par dos alertas que vêm com esses aparelhos. Não é para manter um notebook ligado perto do corpo. As empresas colocam os avisos em letras miúdas para reduzir sua responsabilidade quando as pessoas ficarem doentes.

É possível comparar a radiação de celular à fumaça?
Sim. O tabaco é um risco maior. Mas nunca tivemos 100% da população fumando. Agora, temos 100% das pessoas usando celular. Então, ainda que o risco relativo não seja tão grande, o impacto pode ser devastador.

Nos maços de cigarro, há aquelas fotos horríveis. Esse é o caminho para o celular?
Isso é o que foi proposto no Estado do Maine (EUA). Está se formando um grande movimento para alertar as pessoas a respeito dos celulares. Isso é o que aconteceu com o fumo passivo. Vamos começar a ver limites para a maneira e os locais onde as pessoas usam celular. A maioria não sabe que, se você está tentado conversar num celular em um elevador, a radiação está rebatendo nas paredes e fica mais intensa em você e em quem estiver perto.

Além de usar fones, o que é possível fazer para prevenir?
Enviar mensagens de texto é mais seguro do que falar. Ficar com o celular nas mãos, longe do corpo, é bom, e mantê-lo desligado também.

Mas celular é um vício!
Sim. Temos que usá-lo de forma mais inteligente.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/826872-vamos-esperar-os-cadaveres-para-agir-contra-o-celular-questiona-pesquisadora.shtml

Anúncios

[Estudo Bíblico] A Saúde Física e Mental

LEITURA BÍBLICA

Gênesis 2

16 – E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim comerás livremente,

17 – mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

Gênesis 6

3 – Então, disse o Senhor: Não contenderá o meu Espírito para sem­pre com o homem, porque ele tam­bém é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos.

Salmo 90

10 – A duração da nossa vida é de setenta anos, e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, o melhor deles é canseira e enfa­do, pois passa rapidamente, e nós voamos.

INTRODUÇÃO

O mundo pós-moderno é con­traditório em relação à saúde física, mental e emocional. Apesar da gran­de quantidade de métodos tera­pêuticos, remédios, hospitais e clí­nicas especializadas, nunca houve tantas pessoas enfermas no corpo e na alma, como nos últimos tempos. Nós, que conhecemos a Palavra de Deus, sabemos que esse quadro é conseqüência do pecado transmiti­do a todos os homens (Rm 5.12).

I. A ORIGEM DAS DOENÇAS

1. O pecado no Éden.

As do­enças originaram-se da queda do homem no Éden. Antes do pecado, não havia enfermidades, desgastes, envelhecimento e morte, mas a de­sobediência de nossos primeiros pais trouxe medo, moléstias, dete­rioração e morte (Gn 3.10,17-19).

A primeira enfermidade foi de ordem emocional. A Bíblia sustenta que Adão e Eva, ao pecarem, senti­ram medo (Gn 3.8-1 0). Depois, cer­tamente sobrevieram-lhes as demais seqüelas emocionais, psicológicas e físicas.É do pecado, como estado e como ato, que procedem todas as doenças.

2. A corrupção do gênero humano.

À medida que o pecado crescia no mundo, diminuía a dura­ção da vida humana na terra. No iní­cio da criação, o homem vivia cente­nas de anos (Gn 5.1-27), mas com a multiplicação da iniqüidade, Deus li­mitou-lhe a vida a 120 anos (Gn 6.3,5-7;11,12). Mais tarde, na dispensação da Lei, a média da vida humana de­cresceu para 70 anos (Sl 90.10).

3. A desobediência ao Senhor.

Deus prometeu ao povo de Israel abençoá-lo grandemente, caso obede­cessem à sua voz (Dt 28. 1-13). Em con­trapartida, se desobedecessem, levari­am sobre si as maldições proferidas no Monte Ebal (Dt 27.11 -26), entre as quais todos os tipos de enfermidades.

II. A PROLIFERAÇÃO DAS DOENÇAS FÍSICAS

Vivemos em um mundo bastan­te enfermo. Há doenças que são ori­ginárias exclusivamente da obstina­da desobediência:

“Porque o que se­meia na sua carne da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Es­pírito do Espírito ceifará a vida eter­na” (Gl 6.8).

Apesar do notável avan­ço da ciência, há determinados tipos de doenças que continuam ceifando milhares de vidas. Vejamos:

1. Infarto.

O infarto do miocárdio mata cerca de 350.000 pes­soas por ano no Brasil. Dentre as causas que provocam este mal des­tacam-se o estresse e os maus hábi­tos alimentares.

2. Câncer.

Continua sendo uma das enfermidades mais temidas e devastadoras do mundo. Atinge a qualquer pessoa indistintamente, inclusive os crentes. É preciso orar e ensinar, com base na Palavra de Deus, sobre a cura divina, mudança de hábitos e estilo de vida.

3. Acidente Vascular Cerebral (AVC).

É a terceira causa de mortes no mundo, de acordo com a Organi­zação Mundial de Saúde (OMS). Infe­lizmente, muitos servos de Deus têm sido vítimas desse terrível mal.

REFLEXÃO

“O sofrimento humano é consequência da queda de Adão, não da vontade de Deus. O desejo de Deus é certamente abençoar a sua criação, e não prejudicá-la.”

(Vernon Purdy)

III. DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS

1. Tudo começa na mente.

Se a mente não estiver sã, o corpo tam­bém não estará. De acordo com a Medicina e a Psicologia, muitas do­enças são causadas por problemas emocionais, tais como medo, inve­ja, ira, mágoa, ódio.

A Bíblia adver­te que não devemos estar inquietos por coisa alguma e que precisamos ter paz interior (Fp 4.6-8), está escrito:

“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.

E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.“
Filipenses 4:6-8

Por isso, amar e perdoar são sentimentos pre­ventivos contra as doenças mentais e emocionais (Jo 13.34,35; Cl 3.1 3; SI 18.1a; Rm 12.10).

2. Doenças causadas por ten­são emocional.

Há inúmeras doen­ças que têm origem nesse terrível inimigo da saúde. Por isso, a Bíblia ensina:

“O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abati­do virá a secar os ossos” (Pv 17.22). Ler Pv 14.30; 15.13; Ne 8.10. 3. Fatores que contribuem para doenças psicossomáticas.

a) Competitividade excessiva.

O mundo moderno é extremamente competitivo, razão pela qual gran­de parte das pessoas é ansiosa. A Bíblia nos recomenda “descansar no Senhor” (Sl 37 5,7; Mt 6.30-34).

b) Luta pelo sucesso profissional.

A falta de preparo profissional, o de­semprego e a obtenção de um bom desempenho profissional, levam mui­tos a ficarem frustrados. O crente em Jesus não se desespera, mas confia no Senhor (Sl 55.22; l Pe 5.7).

c) Insucesso na vida afetiva.

Há muitos que sofrem porque não con­seguem se casar e constituir uma família. Isso também ocorre no meio evangélico. O remédio? Confiar em Deus. Ele é a solução para todos os lossos problemas.

d) Estresse.

O estresse ocasio­nal não causa neuroses ou outro tipo de doença da mente. Entretanto, o estresse constante tende a desen­volver enfermidades mais graves. Por isso, a Bíblia ensina que não devemos andar ansiosos (Mt 6.25), e que nossas ansiedades devem ser lançadas sobre o Senhor (l Pe 5.5-7).

Nesse sentido, a igreja deve ser instruída à luz da Palavra e da ciên­cia social, pois, conforme nos ensi­na a Bíblia, devemos entregar o nos­so caminho ao Senhor; confiar nele, e Ele tudo fará (Sl 37.5; Mt 6.33).

IV. OS SALVOS PODEM ADOECER

1. A “Teologia da Prosperi­dade”.

Os proponentes dessa falsa teologia ensinam que o crente fiel não pode adoecer, pois a doença é do Diabo. Propalam que todo cristão deve viver uma vida plena, isen­ta de doenças; e que, na idade avan­çada, devem viver sem dor ou sofrimento.

Segundo esses “teólogos”, quem fica doente não está reivindi­cando seus direitos como filho de Deus ou não tem fé. O ensino bíbli­co, porém, é claro ao ensinar que muitas são as aflições do justo.

2. O corpo ainda não está ple­namente salvo.

Na cruz, Jesus garantiu a salvação de nosso espíri­to, alma e corpo, dando-nos direito à vida eterna e à cura das enfermida­des, em seu nome (Is 53.4,5; Mc 1 6.1 8).

Entretanto, quanto ao corpo, o efeito da obra salvífica ainda não se manifestou plenamente. Isso por­que, enquanto o espírito e a alma (o homem interior – 2 Co 4.16) são sal­vos no momento da conversão a Cris­to, o corpo ainda aguarda a completa redenção (Rm 8.23; l Co 15.42-45, 53,54). Todavia, isto não significa que não podemos ter uma vida saudável.

V. PLANO DIVINO PARA UMA VIDA SAUDÁVEL (Ex 15.26)

Tanto no Antigo como no Novo Testamento, o Senhor é apresentado como aquEle que sara as enfermida­des do seu povo (Ex 15.26; Mt 8.14-17; l Pe 2.21; Sl 103.3).

No Antigo Tes­tamento, a condição para experimen­tar a cura divina era a obediência à Lei (Dt 7.11 -15), mas no Novo, ela está disponível a todos quantos se conver­tem a Deus mediante a fé em Jesus.

Êxodo 15.26, apresenta algumas condições para que o homem viva uma vida abençoada e saudável. Vejamos:

1. Obedecer à voz do Senhor.

Deus fez promessas maravilhosas ao seu povo como resultado da obe­diência (Dt 28.1,2). A obediência irrestrita a Deus põe o homem em comunhão com o Espírito Santo. Essa sujeição à vontade do Senhor, por meio do relacionamento do cren­te com o Espírito de Cristo, é fundamental para o equilíbrio emocional.

2. Fazer o que é reto diante de Deus.

Mesmo sofrendo oposição dos que praticam o erro, o crente ín­tegro, sente paz com Deus e dorme com a consciência tranqüila, sob as bênçãos do Senhor. A integridade e a obediência a Deus produzem paz in­terior e equilíbrio emocional (Sl 55.22).

3. Guardar os estatutos do Senhor.

Os estatutos são como uma regulamentação dos mandamentos de Deus. É a “lei do Senhor” tão mencionada na Bíblia, principalmente nos Salmos. Esse “plano de saúde” divino tem sua explicitação em ou­tros textos, como por exemplo, Deuteronômio 7.15a: “E o SENHOR de ti desviará toda enfermidade…”.

4. Jesus Cristo é o Médico Divino.

Ele curou a muitos de enfer­midades físicas (Mt 8.16); expulsou demônios (Mc 1 .34); e concedeu, em seu nome, autoridade aos seus ser­vos para também curar e expulsar demônios (Mc 16.1 7.18). Jesus não mudou; Ele é o mesmo (Hb 13.8). Em o nome de Jesus somos atendidos em nossas orações (Jo 14.13), mas é necessário estarmos em comunhão com Ele e com sua Palavra (Jo 15.7).

CONCLUSÃO

Um dia não haverá mais doenças nem morte (Ap 21.4). Porém, en­quanto estamos aqui, devemos zelar pela nossa saúde física, mental e emocional. Precisamos lembrar que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, por isso, temos de cuidar de nossa saúde por meio de uma alimen­tação correta, repouso adequado, exercícios físicos, jejum e oração.