[Exortação] Joel Beeke – 7 Dicas Práticas para ser Santo! (Vídeo)

Sete dicas para ser santo:

1) Conheça e se importe com as Escrituras.

2) Use os sacramentos do Batismo e da Ceia do Senhor para fortalecer sua fé.

3) Considere-se morto para com o pecado e vivo para Deus, em Cristo Jesus.

4) Ore e trabalhe em dependência do Espírito Santo. Orar e trabalhar podem ser comparados aos dois remos de um barco. Se você usar apenas um, o barco ficará rodando, sem sair do lugar. Se usar os dois remos juntos, você irá longe.

5) Fuja do mundanismo.

6) Procure ter comunhão na igreja. Associe-se a mentores no caminho da santificação. Temos que ter verdadeiros amigos que são espirituais.

7) Viva no tempo presente um compromisso com Deus. Não deixe para amanhã!

Pr. Joel Beeke (Assista a explanação das mesmas dicas por ele no vídeo abaixo)
Conferência Fiel – Juntos em Cristo – RJ

Anúncios

[Exortação] Lutando pela santidade da igreja

Uma das maiores lutas dos pastores é a santidade da igreja. Eu particularmente tenho lutado por uma igreja santa e compromissada com a Palavra. Luto por jovens comprometidos com o Evangelho e livres do pecado, por casais cujo leito matrimonial seja sem mácula, por adolescentes livres do mundanismo, e por homens e mulheres santos como o meu Senhor. No entanto, as vezes tenho a impressão que tenho dado soco em ponto de faca, isto porque, não são poucos aqueles que em nome da contextualização do evangelho tem amado o mundo, bem como as coisas que existem no mundo.

Nesta perspectiva os jovens tem tido relacionamento sexual fora do casamento, os adolescentes se embriagado de cerveja e vinho, além é claro, de muitos homens e mulheres preferirem desfrutar dos prazeres das boates em noitadas recheadas de pecados e imoralidades. Se não bastasse isso, o adultério se faz presente em muitos relacionamentos conjugais, onde maridos e mulheres optaram pela infedelidade em detrimento a Palavra do Senhor.

Caro leitor, ser pastor não é fácil! Em algumas ocasiões somos taxados de retrógados, fundamentalistas e ultrapassados. Infelizmente não são poucos aqueles que nos condenam por lutarmos por uma igreja santa. Volta e meia ouço de alguns a seguinte afirmação: “O mundo mudou, as pessoas mudaram, não dá pra seguir ao pé da letra o que a Bíblia diz.” Se não bastasse isso, muitos pastores tem advogado a tese de que os jovens cristãos podem se relacionar sexualmente fora do matrimônio, desde que esteja com casamento marcado. O que falar então de inúmeros jovens que sentam a mesa do bar e bebem todas as cervejas possíveis? O que dizer de outros tantos que em nome de um espiritualidade barata, proferem todo tipo de palavrão?

Prezado amigo, desculpe, se lhe contrario, mas prefiro ser considerado chato do que liberal. O meu compromisso, doa em que doer, é com as Escrituras Sagradas. Como pastor fui chamado para pastorear as ovelhas de Cristo, exortá-las e corrigi-las diante das dificuldades da vida, admostá-las a uma vida santa, conduzi-las a glorificar com suas vidas o Supremo Pastor.

Isto,  posto, afirmo sem titubeios que mesmo diante das dificuldades continuarei lutando pela santidade da Igreja. Que Deus conceda graças aos milhares de pastores nessa nação, que com dedicação e esmero, tem lutado pela Igreja do Senhor.

A Deus toda glória.

Renato Vargens

É a mais dura realidade!! Sinto o mesmo que o Pastor Renato! Há uma dureza de coração na Igreja, principalmente, nessa juventude da Geração Gospellll…..Tudo é diversão, entretenimento; às vezes, torço para que algum tipo de perseguição comece a surgir aqui no Brasil, afim de peneirar e deixar visível os que verdadeiramente têm compromisso com Cristo!Vamos orar, para que o milagre do avivamento pela santificação ocorra, em nome de Jesus. Amém!

[Estudo Bíblico] Santificação

I.O QUE É A SANTIFICAÇÃO

A santificação é a separação de alguém ou de alguma coisa, do mal para Deus. Santificação é o processo pelo qual Deus conforma a vida e a conduta do crente à imagem de Cristo.

Quando alguém é justificado, Deus declara-o justo; é alguma coisa que Deus opera POR nós. Mas a santificação é algo que Deus opera EM nós. A justificação coloca-nos em relação certa com Deus, mas a santificação manifesta o fruto daquela relação. O fruto manifesta-se por uma separação do mal e uma consagração a Deus.

A palavra santificar, na língua original da Bíblia, significa cortar ou apartar, portanto, representa como Deus nos aparta do mundo, e também aparta de nós o mundo. Santificação envolve:

1. Separação do mundo, de todo o mal e impureza

  « Ouvi-me, ó levitas, santificai-vos agora, e santificai a casa do Senhor, Deus de vossos pais, e tirai do santuário a imundícia » II Crónicas 29:5

Outras passagens indicam que a santificação exige separação da impureza : II Crónicas 35:6; Êxodo 19:10, 15; I Crónicas 15:12; Josué 3:5 e Jó 1:5. Com bastante atenção leia cada um destes versículos e verá que todos falam da purificação pessoal.

2. Consagração a Deus

Uma pessoa, um lugar ou uma coisa separada ou dedicada exclusivamente para o serviço de Deus, é consagrada. No Velho Testamento lemos que casas eram santificadas ao Senhor:«E quando algum santificar a sua casa, para ser santa ao Senhor, o sacerdote a avaliará, seja boa ou seja má; como o sacerdote a avaliar, assim será »; também Salomão, depois que terminou, consagrou o templo a Deus; pessoas foram consagradas a Deus – por exemplo, Jeremias « Antes que te formasse no ventre, te conheci, e, antes que saísses da madre, te santifiquei (consagrei ); às nações te dei por profeta».

3. Vida Santa

O resultado da santificação, purificação do pecado e consagração a Deus, é uma vida santa. A nova natureza de alguém que foi recriado em Cristo deseja apenas o que é puro, justo e incontaminado. À medida que Deus santifica o crente e este se santifica a si mesmo, a natureza moral de Deus – a santidade – forma-se na sua vida. Através do processo de santificação, Deus está a preparar o crente para o Seu reino:

 « Como, também, nos elegeu nele, antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irreprensíveis, diante dele em amor ». Efésios 1:4

Portanto, a todo aquele que nasceu de novo, em Cristo, é-lhe requerido uma vida santa. Toda as nossas palavras, pensamentos e acção têm de estar sujeitos ao controle do Espírito de Deus.

Viver uma vida santa é um mandamento das Escrituras:

  « Fala a toda a congregação dos filhos de Israel, e diz-lhes: Santos sereis, porque Eu, o Senhor, vosso Deus, sou santo ». Levítico 20:7 « Portanto, santificai-vos, e sede santos, pois eu sou o Senhor, vosso Deus ». Levítico 19:2

Ao ler estes versículos, compreendemos que Deus quer que o seu povo se separe do mal e da impureza, que seja conhecido, pela sua conduta e desejo de servir apenas a Deus.

« Mas, como é santo aquele que vos chamou, SEDE VÓS, TAMBÉM, SANTOS em toda a vossa maneira de viver; porquanto está escrito: SEDE SANTOS, PORQUE EU SOU SANTO ». I Pedro 1:15, 16

II.QUANDO SE DÁ A SANTIFICAÇÃO

Ninguém pode ter uma vida vitoriosa em Cristo se não souber quem é em Cristo. Nós sabemos que Deus fez o mundo perfeito. Deus criou o homem à Sua imagem e semelhança, dando instruções ao homem. Mas o homem falhou. O facto é que uma pessoa que nunca tenha entregue a sua vida a Jesus é um pecador, é uma pessoa com a natureza errada.

Há pessoas que descaradamente dizem e pensam que são muito boas:“Pastor, eu nunca fiz nem desejei mal a ninguém”. Mas a todo o tempo falam mal dos outros e fazem asneiras sem fim. Basta uma pessoa mentir uma vez para ter já pecado transgredindo a Lei de Deus; basta uma pessoa não ligar a Deus, não Lhe prestar homenagem, não O honrar naquilo que Ele manda fazer.

Devemos, pois, compreender que aos olhos de Deus não há uma pessoa justa à face da Terra. Todos transgrediram e aborreceram a Deus. Deus irrita-se de tal modo que nem fala às pessoas quando estas O aborrecem vezes sem fim. Mas Deus tem grande paciência e a Sua graça permite que este mundo continue a existir.

Quem teima em pensar que é uma grande e importante pessoa, está apenas a enganar-se a si próprio. Nem aos outros consegue enganar. Se alguém pensa desta maneira, pode desde já ficar a saber que não nos engana, muito menos a Deus.

Na vida de um cristão há dois tipos de Santificação:
Santificação Instântanea;
Santificação Progressiva.

A. A SANTIFICAÇÃO INSTÂNTANEA

Dá-se no instante em que uma pessoa recebe Jesus como Salvador, e consiste em Jesus perdoar e apagar todos os pecados dessa pessoa, desde o dia em que nasceu até à data que se entregou a Jesus.

Quem é que pode ser considerado SANTO?

Todo o indivíduo que recebeu Jesus como Salvador foi feito uma nova criatura, foi feito um filho de Deus, foi santificado, lavado, liberto dos seus pecados, pelo Senhor Jesus Cristo. Santo não é uma pessoa que nunca falha na vida, ou que é perfeito. E é por esta razão que é chamado de SANTO. Vejamos o que diz o apóstolo Paulo:

 « … Aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que, em todo o lugar, invocam o nome do nosso Senhor Jesus Cristo ». I Cor. 1:2

Isto refere-se a todos os cristãos que vivem em todas as partes do mundo e que receberam Jesus Cristo. Vemos pois, pela Bíblia, que todos os irmãos em Cristo em todas as partes do mundo são SANTOS. Não somos santos por mérito próprio. Não podemos comprar a santidade com as nossas obras. Somos santos porque Jesus derramou o Seu Sangue por nós, para nos santificar dos nossos pecados e nos reconciliou com Deus, o Pai.

Não sou eu que me faço a mim próprio santo; não é você que se faz a si próprio santo e não é nenhum homem que pode intitular uma pessoa de santo. Só Deus o pode fazer. E Deus fez-nos Santos à custa do sacrificio de Jesus e não à custa das nossas obras. Todos nós quando nascemos trazemos a natureza errada, por causa de Adão e Eva e além disso, também pecamos. Não há ninguém que não peque. Se não fosse Jesus morrer por nós para nos lavar e purificar dos nossos pecados, não tinhamos qualquer hipótese de entrar no reino de Deus.

«Pois quê? somos nós mais excelentes? de maneira nenhuma, pois já dantes demons-trámos que, tanto judeus como gregos, todos estão debaixo do pecado. Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer». ROMANOS 3:9-10

« Porque todos pecaram e distituídos estão da glória de Deus ». ROMANOS 3:23

Todos nós, antes de termos entregue a nossa vida a Jesus, éramos pecadores, e estávamos condenados à perdição eterna. Algumas pessoas não se apercebem deste facto, e pensam que um dia Deus as salvará, porque elas são boas pessoas, pagam as suas contas, não desejam mal a ninguém, etc, etc… Mas isto é um grande engano. Aos olhos de Deus é tão grave matar, roubar e adulterar, como é mentir, criticar e falar mal de outras pessoas. Éramos estranhos e inimigos de Deus, por causa das nossas más obras. Mas Jesus derramou o Seu sangue na Cruz para pagar pelos nossos pecados, e para nos poder apresentar a Deus Pai SANTOS, IRREPREENSÍVEIS E INCULPÁVEIS.

Ao recebermos Jesus como nosso Salvador e Senhor, Jesus nos limpa de todos os pecados e nos apresenta a Deus: SANTOS; IRREPREENSÍVEIS; INCULPÁVEIS
Quando éramos pecadores, estávamos debaixo do poder do diabo. Éramos escravos do diabo quer acreditássemos quer não. E quando nascemos de novo ao receber Jesus, Ele liberta-nos das garras do diabo, da escravidão de satanás, e nos pôs no reino de Deus.

  «O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor» COLOSSENSES 1:13

B. A SANTIFICAÇAO PROGRESSIVA

Esta santificação da responsabilidade do crente, que já nasceu de novo, e consiste em confessar os seus pecados a Deus, depois do dia que recebeu Jesus, e também em começar a viver de acordo com um padrão de Vida agradável a Deus.

O caminho da santidade é uma aventura conjunta entre Deus e o cristão. Ninguém pode atingir qualquer grau de santidade se Deus não trabalhar na sua vida, mas também é absolutamente certo que ninguém a atingirá sem esforço da sua parte. Deus fez com que pudessemos andar em santidade. Contudo, Ele deu-nos a responsabilidade de andarmos; não fará isso por nós.
Nós, cristãos, gostamos muito de falar a respeito da provisão de Deus, da maneira como Cristo venceu o pecado na cruz e nos deu o Seu Espírito Santo para nos capacitar a ganhar a vitória sobre o pecado. Mas, em geral, não somos tão prontos a falar da nossa própria responsabilidade de andar em santidade.
Todos nós nos debatemos com a pergunta:

«Que é que eu devo fazer, e o que é que devo esperar de Deus? »

Afinal o que é que a Bíblia ensina sobre esta pertinente questão? Qual é a minha responsabilidade em procurar essa Santidade? Há um processo para a atingir que requer diligência e é uma tarefa para toda a vida.

Agora sou salvo, sou uma nova criatura, um filho de Deus, Santo e Justo, livre dos meus pecados anteriores.

Mas será que nunca mais pecarei? Infelizmente não é assim. Depois de recebermos Jesus, por muita vontade e determinação que tenhamos em fazer só o bem, de vez em quando pecamos, fazendo o que não devíamos. Agora põe-se a questão: temos solução? Felizmente que sim, já que Jesus também providenciou para esses pecados posteriores à nossa conversão.

«Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça». I João 1:8-9

Santificação começa no dia em nascemos de novo, mas cabe a nós fazê-la com a ajuda do Espírito Santo; consiste em vivermos de acordo com um padrão agradável a Deus; consiste em tornarmo-nos cada vez mais parecidos com Jesus Cristo. A santificação progressiva produz frutos – O amor AGAPE (frutos do espírito renovado – I Coríntios 13):

– Mansidão

– Temperança

– Gozo

– Paz

– Longanimidade(qualidade de suportar adversidades, injustiças e perseguições, sem resmungar e esperando pacientemente as melhoras dos que nos atacam)

– Benignidade

– Bondade

– Fidelidade

III.COMO SOMOS SANTIFICADOS ?

A. ASPECTO DIVINO

Três são os meios estabelecidos divinamente para a santificação, a saber: o sangue de Cristo, o Espírito Santo, a Palavra deDeus.

1. O sangue de Cristo

Hebreus 13:12; 10:10, 14 e I João 1:7.

Neste caso o pecador é transformado em adorador santo. Em virtude do sacrifício supremo de Cristo, o crente é transformado e eternamente separado para Deus; sua consciência é purificada, e ele próprio é transformado em adorador, unido em comunhão com o Senhor Jesus Cristo; pois, «assim o que santifica, como os que säo santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos» ( Hebreus 2:11 ).

Vejamos Isaías ao receber a visão de Deus, ele ficou abatido ao perceber a sua falta de santidade; e não estava em condições de ouvir a mensagem divina enquanto a brasa do altar não purificasse os seus lábios. A consciência do pecado ofusca a comunhão com Deus. Confissão e fé no sacrifício de Cristo removem essa barreira.

 « Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça» I João 1:8-9

2. O Espírito Santo – Santificação interna

I Cor. 6:11; II Tes. 2:12; I Pedro 1:1,2 ; Rom.15:16.

Nestas passagens a santificação pelo Espírito Santo é apresentada como início da obra de Deus nos corações dos homens, conduzindo-os ao inteiro conhecimento da justificação pela fé no sangue espargido de Cristo.

O Capítulo 10 de Actos ilustra a obra do Espírito Santo. Os primeiros anos da Igreja Primitiva eram barreira à evangelização dos gentios. Deus teve que, em visão, mostrar a Pedro que aquilo que o Senhor purifica ele não devia tratar como comum ou imundo. Isso importava em dizer que Deus fizera provisão para a santificação dos gentios para serem seu povo.

3. A Palavra de Deus – Santificação externa e prática

João 17:17; Efésios 5:26; João 15:3; Salmo 119:9; Tiago 1:23-25.

Os cristãos são descritos como gerados pela palavra de Deus.

« Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva e que permanece para
sempre ». I Pedro 1:23

A palavra de Deus desperta os homens para a insensatez e impiedade de suas vidas. Quando damos importancia à Palavra arrependendo-nos e crendo em Cristo, somos purificados pela palavra que nos foi falada. Esse é o início da purificação que deve continuar através da nossa vida. No acto da consagração ao ministério o sacerdote israelita recebia um banho sacerdotal completo, banho que nunca se repetia; era uma obra feita uma vez para sempre.

Todos os dias porém, eram obrigados a lavar as mãos e os pés. Da mesma maneira que o regenerado foi lavado (Tito 3:5); mas precisa de uma separação diária das impurezas e imperfeiçöes conforme lhe foram reveladas pela palavra de Deus, que lhe serve como espelho da alma. ( Tiago 1:22-25 )

Tome nota do sentido das lavagens:
Lavagens das mãos – os atos devem ser retos;
Lavagem dos pés – guardar-se da imundície que tão facilmente se apega aos pés do peregrino que anda pelas estradas deste mundo.

B. A PARTE DO CRISTÃO

1. Fé na Expiação.

Salvação é pela graça, dizer ao povo judeu que precisa unicamente crer em Jesus, e que nada pode fazer quanto à salvação, porque ela é pela graça de Deus; certamente iriam chamar de heresia, e ao mesmo tempo resultaria em que descuidariam a sua maneira de viver. Eles julgariam que pouco importa o que façam, uma vez que creiam. Sua doutrina de fé fomenta o pecado.
Se a justificação é pela graça e nada mais, sem obras, por que então romper com o pecado? Porque não continuar no pecado para que abunde ainda mais a graça?
Os inimigos de Paulo acusavam-no de pregar tal doutrina. Paulo dirigido pelo Espírito Santo afirma em (Rom. 6:7 ):

« Aquele que está morto, está justificado do pecado. A morte cancela todas as obrigações e rompe todos os laços. Por meio da união com Cristo, o cristão morreu para a vida antiga e os grilhões do pecado foram quebrados »

2. Cooperar com o Espírito.

O crescimento em santidade, passa pela libertação consciente do crente, do poder do pecado. No Capítulo de Romanos 6, dá-se a vitória sobre o poder do pecado que foi obtida pela fé. O Capítulo de Romanos 8, apresenta o novo aliado do homem na batalha contra o pecado, o Espírito Santo.

Paulo demonstra a importância da lei para salvar e santificar, mas não porque a lei seja boa, mas por causa da inclinação pecaminosa da natureza humana, conhecida como a “carne”. O Capítulo 8 aos Romanos, tem por tema dominante a libertação da natureza pecaminosa pelo poder do Espírito Santo.

3. Renovar a Mente

« Que apresenteis os vossos CORPOS por sacrifício vivo ». Romanos 12:1

« Tudo o que é verdadeiro ( a Palavra é verdadeira), tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, etc, NISSO PENSAI ». Filipenses 4:8

  « Porque como imaginou na sua alma, assim é». Provérbios 23:7

Assim, em II Coríntios 10:5, lemos que levamos cativo todo o entendimento. Destruimos toda a altivez que se levante contra o conhecimento de Deus, e concedemos à Palavra de Deus o seu devido lugar em nossos corações e em nossas mentes. Temos a “mente de Cristo”.

As transformações espirituais e físicas vêm pela RENOVAÇÃO DA MENTE.
O corpo é o laboratório dos cinco sentidos; não é de admirar que seja necessário apresentá-lo por sacrifício. Paulo acrescenta:

« Transformai-vos pela RENOVAÇÃO DA VOSSA MENTE, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus ». Rm12:2

Quando a mente está renovada, ela percebe o valor espiritual da confissão certa.

C. INSTRUMENTOS DA SANTIFICAÇÃO

1. A Bíblia

O cristão deve ler a Bíblia diáriamente. A Bíblia é como um espelho; quando o cristão a lê:

« É semelhante ao varão que contempla ao espelho o seu rosto natural » Tiago 1:23.

Ao ler a Bíblia, o cristão, contempla a sua própria condição espiritual. A Bíblia traz à luz todas as suas imperfeições, defeitos e pecados. Quando obedecemos à Bíblia, somos purificados.

 « Como purificará o mancebo o seu caminho? Observando-o, conforme a tua palavra. Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti. ». Salmo 119: 9, 11

 « Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado ». João 15:3

2. A Correção

Muitas vezes, Deus castiga ou corrige o seu servo por causa do pecado. Essa correcção é para estimulá-lo a não mais desejar a vida de pecado. Assim, a correcção torna-se um instrumento para a santificação do crente. Ao receber a correcção, devemos imediatamente desejar a purificação, e procurar avançar mais no conhecimento da santificação. Este conhecimento pode ser alcançado pela fé, depois de se fazer confissão do pecado de acordo com I João 1:9.

 « Eu repreendo e castigo a todos quanto amo.» Apocalipse 3:19

« Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correcção, Deus vos trata como filhos; porque que filho há a quem o pai não corriga? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos e não filhos ». Hebreus 12:6-8

3. As Provações

Deus serve-se das provações para nos estimular à santidade.

 « Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações. Para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o,ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, honra e glória, na revelação de Jesus Cristo ». I Pedro 1:6,7

Tanto a correcção como a provação têm o mesmo propósito: separar-nos do mal e levar-nos para mais perto de Deus.

  « Antes de ser afligido, andava errado; mas agora, guardo a tua palavra. Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos». Salmo 119:67, 71

O alvo de Deus na santificação do crente, é uma santidade de vida de acordo com a estatura de Cristo.

 « Querendo o aperfeiçoamento dos santos … até que cheguemos … a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo ». Efésios 4:12-13

Este é o padrão divino para cada um de seus filhos. Na segunda vinda de Jesus, a santificação do crente será completa – o poder do pecado quebrado para sempre. Então, seremos completamente santos e estaremos preparados para estar na presença de Deus.

«Quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele » I João 3:2b

Assistam ao vídeo abaixo, onde o Pastor Joel Beeke nos concede 7 Dicas para desenvolver uma vida de santidade:

– Como eu faço o download dos vídeos? Siga os passos abaixo!

1) Inicialmente, clique no vídeo para dar incício.

2) Você verá, no canto superior esquerdo, a palavra “Share“. Clique nela.

3) Surgirá uma pequena Janela com 4 Botões. Clique em “Download Vídeo“.

4) Outra janela surgirá com as opções “Abrir com” e “Download“. Selecione “Download“, caso já não o esteja. E clique em “Ok“. Pronto! Agora é só esperar!

A “Lei” da “Graça” – O “Princípio” das “Aplicações”

A Lei da Graça – O Princípio das Aplicações

Um querido amigo de longa data, homossexual, enviou-me o link do texto abaixo para reflexão. Achei interessante postá-lo juntamente com a resposta sábia de um instrumento de Deus, para que todos venhamos a refletir e saber argumentar e, com amor, ensinar os que precisam entender a Soberana e Imutável Vontade de Deus. Boa leitura!

Texto

Digo isso a propósito de uma carta dirigida a Laura Schlessinger, conhecida locutora de rádio nos Estados Unidos que tem um desses programas interativos que dá respostas e conselhos aos ouvintes que a chamam ao telefone. Recentemente, perguntada sobre a homossexualidade, a locutora disse que se trata de uma abominação, pois assim a Bíblia o afirma no livro de Levítico 18:22. Um ouvinte escreveu-lhe então uma carta que vou transcrever:

“Querida doutora Laura, muito obrigado por se esforçar tanto pra educar as pessoas segundo a lei de Deus. (…) Mas, de qualquer forma, necessito de alguns conselhos adicionais de sua parte a respeito de outras leis bíblicas e sobre a forma de cumpri-las: gostaria de vender minha filha como serva, tal como o indica o livro de Êxodo 21:7. Nos tempos em que vivemos, na sua opinião, qual seria o preço adequado?

O livro de Levítico 25:44 estabelece que posso possuir escravos, tanto homens quanto mulheres, desde que não sejam adquiridos de países vizinhos. Um amigo meu afirma que isso só se aplica aos mexicanos, mas não aos canadenses. Será que a senhora poderia esclarecer esse ponto? Por que não posso possuir canadenses?

Sei que não estou autorizado a ter qualquer contato com mulher alguma no seu período de impureza menstrual (Levítico 18:19, 20:18 etc.). O problema que se me coloca é o seguinte: como posso saber se as mulheres estão menstruadas ou não? Tenho tentado perguntar-lhes, mas muitas mulheres são tímidas e outras se sentem ofendidas.

Tenho um vizinho que insiste em trabalhar no sábado. O livro de Êxodo 35:2 claramente estabelece que quem trabalha aos sábados deve receber a pena de morte. Isso quer dizer que eu, pessoalmente, sou obrigado a matá-lo? Será que a senhora poderia, de alguma maneira, aliviar-me dessa obrigação aborrecida?

No livro de Levítico 21:18-21 está estabelecido que uma pessoa não pode se aproximar do altar de Deus se tiver algum defeito na vista. Preciso confessar que eu preciso de óculos para ver. Minha acuidade visual tem de ser 100% para que eu me aproxime do altar de Deus?

Eu sei, graças a Levítico 11:6-8, que quem tocar a pele de um porco morto fica impuro. Acontece que adoro jogar futebol americano, cujas bolas são feitas de pele de porco. Será que me será permitido continuar a jogar futebol americano se usar luvas?

Meu tio tem um sítio. Deixa de cumprir o que diz Levítico 19:19, pois que planta dois tipos diferentes de semente ao mesmo campo, e também deixa de cumprir a sua mulher, que usa roupas de dois tecidos diferentes -a saber, algodão e poliéster. Será que é necessário levar a cabo o complicado procedimento de reunir todas as pessoas da vila para apedrejá-la? Não poderíamos queimá-la numa reunião privada?

Sei que a senhora estudou esses assuntos com grande profundidade de forma que confio plenamente na sua ajuda. Obrigado de novo por recordar-nos que a palavra de Deus é eterna e imutável”.

Rubem Alves, na Folha de S.Paulo.

Resposta

“Brilhante o texto! Quem nunca teve essas dúvidas? Se Deus é o mesmo ontem, hoje e eternamente, porque em tempos antanhos determinadas coisas eram proibidas e hoje em dia não mais?

A meu ver a resposta é um tanto quanto simples: a sociedade evolui. A Bíblia, no que diz respeito a exigência de conduta em distintas circunstâncias, pode ser analisada, a grosso modo, em um amontoado de princípios e aplicações.

A meu ver, os princípios seriam imutáveis, as aplicações não.

Temos muitos exemplos, entre eles, o fato de o povo judeu não poder comer carne de porco: princípio imutável = integridade física (saúde) do povo. Aplicação = não ingestão de carne de porco. Atualmente, essa aplicação insubsiste, visto que temos meios muito eficazes de sanar as doenças desse tipo de carne antes de sua ingestão, mas o princípio da integridade fisíca do ser humano persiste.Seria o mesmo, nos dias atuais, a questão do semáforo. Qual é o principio que rege a imposição do semáforo? Proteção e segurança. Qual a aplicação? obedecer às luzes do semáforo. Porém, às 3 da manhã, em uma pista vazia, a aplicação para o princípio da proteção e segurança é passar o sinal, ainda que esteja vermelho. (A aplicação MUDA, mas o Princípio PERMANECE)

Concluindo, as vicissitudes sociais mudam as hipóteses de aplicação dos princípios bíblicos que são imutáveis.

A questão de antigamente poder comprar escravo e atualmente não, não quer dizer que a Bíblia mudou. A Bíblia existe para preservar a vida humana, seja ela natural quer seja e, principalmente, espiritual. A questão é que desde a origem, a sociedade aceitava o ser humano como objeto comercial (escravo) e isso perdurou até meados do século XIX no Brasil. Deus gostava que o alguns homens fossem feitos de escravos? Tenho convicção que não, mas se o pensamento social era aquele, O Espírito Santo de Deus buscava passar para nós, inspirando Moisés e Paulo, o melhor proceder de um cristão ante aquela prática social deplorável(Ef. 6.5-9).

O princípio bíblico que se aproxima dessa situação da escravidão seria o servir uns aos outros independente de sermos servos ou senhores (patrão ou empregado), visto que Deus não faz acepção de pessoas. Que os servos sirvam como que estivéssemos servido a Cristo e que os senhores saibam que o verdadeiro senhor é Cristo, logo somos todos servos. O princípio imutável seria esse(“somos todos servos“). A aplicação à epoca de Paulo? O bom proceder tanto do servo como do senhor, pois assim era configurada a relação de trabalho = escravidão. Atualmente, é pela carteira de trabalho e pela CLT. O princípio não mudou(continuamos todos servos), mas a aplicação sim. Não tendo mais escravidão, se Paulo nos escrevesse agora diria para que observássemos a CLT e a CF juntamente com o princípio descrito no inicio desse parágrafo.

Porém, há evoluções sociais que o Espírito Santo nos constrange em não aceitá-las, como seria o caso do homosexualismo. Princípio bíblico imutável = respeito à criação de Deus, pureza, santificação. Deus criou homem para a mulher e a mulher para o homem e instituiu o casamento para que ambos fossem uma mesma carne e se multiplicassem(necessidade de um casal para isso ocorrer). Aplicação do princípio = homem nao pode ficar com homem nem mulher com mulher, nem mesmo homem com animal, etc. Atualmente, a aplicação é a mesma. Não há um consenso que nos induza a uma diferente aplicação desse princípio.

O argumento da parte de lá é o amor ao parceiro. Mas o principio bíblico imutável, antes de todas as coisas, é o amor a Deus (que nos induz a renunciar a carne, o erro, o pecado e fazer a sua vontade).

Minha humilde e resumida opinião sobre o texto. Penso muitas outras coisas, mas aí seria abusar do espaço.”

Por Josué L. Silva

O Verdadeiro Coração Arrependido

         O Verdadeiro Coração Arrependido         

             “Fui buscado pelos que não perguntavam por mim; fui achado por aqueles que me não buscavam; a um povo que se não chamavam do meu nome eu disse: Eis-me   aqui.” (Isaias 65. 1)

              Quantas vezes conhecemos pessoas, que viviam declaradamente no pecado, até mesmo nos crimes, fazendo tudo contrário à vontade de Deus, e as leis dos homens, e não acreditavam em religião, e ainda duvidavam da existência de Deus.  Porém, de uma hora para outra, simplesmente se transformaram, e hoje são servos de Deus, cumpridores dos seus deveres para com Deus, família e a sociedade, ao contrário de muitos que se dizem Cristãos, e que  há anos freqüentam igrejas, mas continuam fazendo todo tipo de coisas erradas, pecando, e têm prazer em dizer que freqüentam esta ou aquela igreja há anos, outros que nasceram em famílias evangélicas, sabem a Bíblia de cor e salteado, conhecem todos os hinos e vivem cantando, falam do amor de Deus, porém vivem no ódio, e muitas das vezes, têm o hábito de criticar aqueles que antes viviam  no pecado e hoje são zelosos da palavra de Deus.
             “Ensina-me a fazer a tua vontade, pois és o meu Deus; guie-me o teu bom Espírito por terra plana.” (Salmos 143.10
 
               Veja que o salmista Davi pede a Deus para ensiná-lo a fazer a sua vontade, ele não pede para conhecer a vontade do Senhor, mas sim fazer a vontade Dele.  Pois assim vivem muitos religiosos, crentes ou freqüentadores de igrejas, que conhecem a vontade de Deus, porém não as pratica, sabe que não se deve odiar, trair, ser desonesto, mentir, adulterar, fornicar ou qualquer outro pecado, porém os fazem, e ainda conseguem distorcer a palavra de Deus para justificar os seus pecados e erros. Estes não conheceram e não conhecem a Deus, portando, é ainda mais pecador do que o ímpio que desconhece os mandamentos.
            “Porque os tais não servem a nosso Senhor Jesus Cristo, mas ao seu ventre; e, com suaves palavras e lisonjas, enganam o coração dos símplices.” (Romanos 16. 18
 
               Devemos andar o nosso Deus, mesmo que não sejamos um religioso ou freqüentador de igrejas, mas devemos ser um praticante da sua palavra, devemos ter atitudes de verdadeiros seguidores de Jesus, pois Cristãos verdadeiros são os que seguem os mandamentos de Jesus; somente quando trilhamos este caminho é que o encontraremos, e Ele nos Dirá, Eis me aqui. Leia e pratique a Bíblia. Que Deus o Abençoe. Um abraço.                   
                                      
Por Henrique

Os que amam a Deus!

Leitura do dia: 1 João 2: 12-17

O mundo passa, com tudo aquilo que as trevas cobiçam; porém aquele que faz  a vontade de Deus vive para sempre (v. 17).

 A vida eterna não pertence aos que amam o mundo, mas aos que amam a Deus.

Os que amam o mundo não creem que há um Deus acima deles, nem esperam uma vida eterna, além deste vale de lágrimas mas limitam sua esperança às coisas desta vida (1 Coríntios 15.19).

 Buscam a paz que o mundo dá, não a que Cristo oferece (João 14.27). Não têm consciência da troca infeliz que fazem, como Esaú, que trocou a herança futura por um prato de lentilhas (Gênesis 25.27-34).

Os que amam o mundo buscam paz, bem-estar e felicidade neste mundo. A vida eterna é herança dos que amam a Deus e esperam sua recompensa para quando terminar a vida terrena. Conforme a letra de um hino sacro, somente “os que amam a Deus serão iguais ao brilho do sol ao amanhecer”.

Os que amam a Deus não amam o mundo, nem os que amam o mundo podem amar a Deus. Por isso, a obediência aos mandamen­tos do Senhor separa os que amam a ele dos que amam o mundo. Os que amam a Deus procuram viver neste mundo de acordo com a von­tade divina. Em contrapartida, os que amam o mundo seguem sua própria vontade. Os que amam a Deus rendem ações de graças sem­pre e por tudo. Os que amam o mundo apenas vangloriam-se a si próprios. Os que amam a Deus preferem a comunhão com o Pai à felicidade do mundo (Filipenses 2.5-11). Os que amam o mundo vi­vem sem Deus (Efésios 2.12). Os que amam a Deus buscam, em primeiro lugar, o seu Reino e aquilo que ele quer, sabendo que ele lhes dará todas as coisas (Mateus 6.33).

 Oremos:

 Querido Deus e Senhor, de ti recebemos todas as boas dádivas nesta vida. Por isso te rendemos graças. Guarda-nos no teu amor, para que não amemos as coisas passageiras, esquecendo-nos das que são eternas. Amém.

Fonte: Castelo Forte