[Maná] Nosso lar não é aqui

“Às margens dos rios da Babilônia, nós nos assentávamos e chorávamos, lembrando-nos de Sião” (Salmo 137:1).

Um dia, os assírios dirigidos por Nabucodonosor chegaram a Jerusalém. Destruíram tudo e levaram prisioneiros os filhos de Israel.

Os anos do exílio foram tristes. Longe de casa, da família e dos amigos, os exilados só tinham duas opções: esquecer definitivamente Israel ou viver em Babilônia, com os olhos fixos em Sião, abrigando o sonho de retornar um dia para o lar.

Um dia, também, o inimigo de Deus chegou até a raça humana, destruiu seus sonhos, valores e princípios e a levou escrava ao seu reino, para servir no seu palácio.

A história de Israel é um símbolo da história humana. Como os israelitas, hoje estamos longe do verdadeiro lar. Este mundo cheio de tristeza e angústia – consequências naturais da entrada do pecado – não é a nossa casa. Somos estrangeiros e peregrinos vivendo num mundo ao qual Jesus Se referiu assim: “O Meu reino não é deste mundo.

O salmista disse que enquanto os filhos de Israel viviam em Babilônia, com frequência sentavam-se às margens dos rios e choravam de saudade, lembrando-se de Sião, o santo monte, símbolo do governo de Deus.

O perigo que corremos hoje é esquecer que este mundo não é o nosso lar definitivo. Estamos aqui apenas peregrinando, por força das circunstâncias, rumo à casa do Pai. Somos estrangeiros vivendo num país alheio.

O fato de vivermos neste mundo pode levar-nos a contemplar as coisas da Terra por mais tempo do que o necessário. Deitar raízes profundas é um risco. Lembrar quem somos e de onde viemos determina as nossas escolhas e prioridades.

É verdade que precisamos sobreviver. Trabalhar, estudar, construir uma casa para morar e educar os filhos é parte da nossa existência. Não podemos omitir-nos dessas responsabilidades. Mas até que ponto isso tudo está nos fazendo esquecer de Sião?

Cumpra as suas atividades hoje pensando na experiência de Israel, expressada pelo salmista: “Às margens dos rios da Babilônia, nós nos assentávamos e chorávamos, lembrando-nos de Sião.”

Fonte

[Alerta] O Perigo da Má Literatura nos Lares

O PERIGO DA MÁ LITERATURA NOS LARES


Pr. Elinaldo Renovato de Lima

Outro inimigo terrível do lar é a má literatura. Nunca o mundo assistiu a um progresso tão grande na produção literária quanto na época atual. Os novos processos de impressão têm melhorado a qualidade técnica dos livros, das revistas e dos jornais, tornando-os mais atraentes aos olhos do leitor. A quantidade de material impresso é extraordinária. Lamentavelmente, porem, o mesmo não se pode dizer do nível moral da literatura oferecida ao público.

Ressalvadas as exceções, grande parte do que se vê nas livrarias e bancas de jornal é a literatura pornográfica, cuja finalidade não é outra senão despertar no leitor o erotismo, a sensualidade, a lascívia, o desejo de prostituição. É o apelo forte às obras da carne. Se o cristão não vigiar, e começar a ler essa literatura, acabará sendo arrastado ao erotismo pecaminoso, incentivador do adultério, da prostituição e das práticas bestiais do sexo: é o sexo sujo, lamacento, imundo, nada condizente com o uso do corpo que é o “templo de Deus”.

Outro tipo perigoso da literatura é aquela que, de maneira sutil, exalta o materialismo, os vícios, as idéias que afastam o homem de Deus, bem como o que defende falsas doutrinas religiosas e políticas. As revistas, bem mais à mão do que os livros, também estão há muito dominadas por temas perigosos, tais como o amor livre, a infidelidade conjugal, a violência e outros exemplos degradantes. Tudo isso são inimigos do lar, que precisam ser evitados e combatidos.

Para tanto, é necessário que os pais estejam atentos ao que os seus filhos estão lendo. Não é preciso agir de modo policialesco, mas de modo amigo e sincero. Antes de mais nada, é preciso agir de modo positivo: os pais devem orientar os filhos para a leitura de bons livros. Eles existem, graças a Deus. Há livros evangélicos bastante inspirativos para jovens e crianças. Há muita literatura apropriada também para o nível de maturidade dos filhos. Os pais precisam dar livros aos filhos, antes que eles recebam livros maus de estranhos.

Outra medida interessante é procurar ler os livros que os filhos lêem, demonstrando, com isso, interesse por eles. De qualquer maneira, deve-se ter uma atitude de quem quer ajudar e não atrapalhar o interesse pela leitura, o que em si é bom e saudável. Havendo diálogo com franqueza entre pais e filhos, a má literatura será rejeitada pela família. Resta-nos dizer que a medida mais eficaz contra a má literatura é o cultivo da literatura bíblica no lar. Os pais devem dar o exemplo, lendo a Bíblia para os filhos, comentando as passagens lidas, no culto doméstico. Não se deve exigir dos filhos aquilo que não se faz.

O estímulo positivo é coisa boa. Se um pai oferecer um prêmio ao filho que ler a Bíblia toda em um ano, terá propiciado grande ajuda a esse filho. Desse modo, a “Espada do Espírito”, quando usada no lar, é a melhor defesa contra o inimigo chamado má literatura.

JOGOS, BEBIDAS E DEMAIS VÍCIOS

Os vícios são inimigos corriqueiros que atacam os lares em todo o mundo, destruindo as famílias. Eles também atacam os lares cristãos. Conhecemos muitas mães de família cristãs, que choram, pedindo oração por esposos e filhos dominados pelos jogos, pelos vícios. O jogo é uma praga que domina muitas vidas. As pessoas, ao invés de se preocuparem no trabalho honesto e digno, pensam em ganhar muito dinheiro através dos azares do jogo.

A principio, o jogador começa a praticar o jogo por prazer, como atividade social. Depois, passa a jogar por dinheiro, tornando-se viciado. Nisso fica preso, perdendo a noção de responsabilidade, de tempo, de honestidade, e se envolve com jogadas e trapaças, e, por fim, afasta-se da família, do trabalho, e perde noites de sono, com a idéia fixa de que precisa ganhar. O jogo nunca está sozinho. E acompanhado de bebidas, do fumo e de outros vícios. A bebida tem sido usada por Satanás como instrumento de escravidão de muitas vidas.

Começa com a bebida social, passa pela bebida como aperitivo e depois surge o alcoólatra inveterado, que chega até o “delírio tremens”, quando a saúde já está estragada. Ai, se vai a honra e o amor à família; termina o dinheiro, a moral, a vida. Com isso o Diabo vai prendendo mais e mais os pobres viciados nas malhas da falsa liberdade. A maioria dos acidentes automobilísticos são causados pela bebida, pela embriaguez. Na maior parte dos crimes, o álcool está presente, como estimulante de coragem para lançar-se ao mal. Milhares de filhos estão a chorar a perda dos pais ceifados pelo vício da embriaguez. Do mesmo modo, o fumo, que é o agente número um do câncer do pulmão e de outras doenças, vai ceifando a saú-de, as vidas e destruindo os lares: é outro inimigo cruel.

A par desses, já considerados muito comuns, está em ação o trabalho destruidor dos tóxicos, como a maconha, a heroína, o LSD e outros  instrumentos do Diabo para a morte prematura de tantas pessoas. Para tudo isso, lamentavelmente, os governos contribuem, facilitando a divulgação e a propaganda dos ele-mentos do vício. Pensam somente nos impostos que arrecadam. Quando, na verdade, estão permitindo que a morte seja difundida. Mas, esses males podem ser vencidos, destruídos e, melhor ainda, evitados. Na realidade, eles são meios usados para que muitos fujam da vida, com medo do futuro, com medo das lutas, com medo de si mesmos.

CONSELHO

Os lares cristãos, que cultivam o ambiente salutar da família, os lares cristãos cujos membros têm suas mentes ocupadas com aquilo que a Palavra de Deus aconselha, estarão livres das investidas de todos os vícios. Para tanto, é necessário desenvolver aquele ambiente espiritual que nos referimos em outro capítulo. Dá muito trabalho, mas recompensa.

Num lar em que a Palavra de Deus é lida todos os dias, desde cedo, quando os filhos ainda são pequenos; num lar em que a oração se faz ouvir todos os dias; num lar onde louvores a Deus são entoados pelos familiares da casa; num lar onde o amor conjugal é consolidado pelos laços do afeto e do carinho; num lar onde o amor dos pais aos filhos é expresso em gestos de sinceridade, cuidado e afeição; num lar onde o amor dos filhos aos pais é expresso em obediência, respeito e consideração; num lar assim, temos certeza: todos os inimigos do lar serão permanentemente mantidos a distância. Não esqueçamos:

“Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam” (Sl 127.1)

E-mail: adrministerio12@hotmail.com

Fonte: http://www.facebook.com/l/ba7dc2lmn21rUr3WSr0Y6wAgWrQ/missoesedever.blogspot.com