[e-News] Novo vídeo da ISIS mostra crianças executando prisioneiros

Um novo vídeo de execução do ISIS revela crianças com lavagem cerebral tão jovens quanto 8 anos sendo forçadas a atirar na cabeça de prisioneiros.

A filmagem mostra os dois meninos, ambos vestidos de preto e armados com revólveres, atrás de dois cativos no Afeganistão.

A dupla puxa agressivamente as cabeças dos cativos que eles classificam como “espiões” antes que o mais jovem dos dois começasse a virar a câmera.

Eles então apontam suas armas na parte de trás da cabeça do prisioneiro e realizam o assassinato.

Crianças que sofrem lavagem cerebral com ideologias do ISIS, treinadas para lutar e matar pelo grupo são conhecidas como “filhotes do califado”.

Esta não é a primeira vez que crianças aparecem no vídeo ISIS realizando execuções.

Em janeiro, filmagens chocantes foram lançadas pelo grupo terrorista, que mostrou recrutas de crianças decapitando e atirando em três homens.

Crianças pequenas, que deveriam se comportar como tais, são filmadas usando uniformes de estilo de exército de camuflagem enquanto matam brutalmente suas vítimas em Deir ez-Zor, na Síria.

Um rapaz extremamente jovem é filmado agitado agarrando uma arma e atirando em um homem na cabeça, enquanto outro brandia uma faca grande antes de cortar a garganta de outro.

A história apareceu pela primeira vez em The Sun.

[e-News] ESTADO ISLÂMICO NO BRASIL: MPF DENUNCIA SEIS PESSOAS

A Operação Hashtag, da Polícia Federal, foi deflagrada em 2016, revelando que brasileiros estariam planejando ataques terroristas no país. Em setembro do ano passado, foi apresentada à Justiça a primeira denúncia, envolvendo 10 pessoas.

Nesta segunda-feira (26), o Ministério Público Federal (MPF) formalizou a segunda denúncia, acusando cinco dos suspeitos originais. Um sexto já tinha sido condenado no primeiro processo, mas seguiu cometendo crimes.

As novas investigações fortaleceram as denúncias dos crimes de promoção ao terrorismo e associação criminosa. Caso sejam condenados, as penas podem chegar a 11 anos de prisão.

Os denunciados são Danilo Francini dos Santos, Sara Martins Ribeiro, Fernando Pinheiro Cabral, Leandro França de Oliveira, Gilberto Gonçalves Ribeiro Filho e Mohamad Mounir Zakaria.

O MPF identificou que todos eles usavam perfis em redes sociais e aplicativos de mensagens para disseminar os ideais do Estado Islâmico e planejavam possíveis ataques, que incluíam a possibilidade de um ataque durante a Olimpíada do Rio de Janeiro.

Ainda segundo o MPF, Sara Ribeiro recrutava outras mulheres para se juntarem ao grupo de terroristas no Brasil.

As prisões da Hashtag foram as primeiras feitas com base na lei antiterrorismo de 2016 e também as primeiras detenções por suspeita de ligação com o grupo terrorista Estado Islâmico em solo brasileiro. Com informações G1

Por Jarbas Aragão – Gospel Prime