[Apostasia] O “sucesso” das baladas gospel pelo país

balada

O portal IG publicou uma matéria onde faz um levantamento das “baladas gospel” que têm se multiplicado pelo país. Uma das mais antigas é a Gospel Night, criada há 15 anos pelo DJ Marcelo Araújo, do Ministério Voz de Deus. A balada reúne em torno de 3 mil pessoas e acontece trimestralmente no Melo Tênis Clube, no Rio de Janeiro.

“A proposta é se divertir sem se corromper. Não se embebedar, não ter que dançar até o chão, nem ter que andar com roupa sensual para chamar a atenção de alguém e ter um encontro naquela noite. Não precisa ficar com 500 pessoas na noite só para se animar”, esclarece.

Anderson Dias Barbosa, conhecido como DJ Pastor iniciou 13 anos atrás a balada que ocorre todo último sábado do mês na Comunidade Evangélica Crescendo na Graça, em São Paulo. Além do repertório de música gospel, o espaço no templo oferece mesa de bilhar, fliperama, torneio de basquete de rua e competição de videogame.

Fundador da igreja, o DJ veio de família evangélica, mas conta que se afastou da igreja na juventude pois queria “poder sair para dançar”. Depois que voltou, foi isso que decidiu oferecer. A festa tem um custo de R$ 5, que ajuda a financiar o projeto Rei das Ruas, que ajuda no tratamento de dependentes de drogas.

Em geral, a balada vai das 23h até as 4h. O DJ Pastor calcula que mais da metade dos frequentadores não são evangélicos. “A balada não tem o intuito de convertê-los, mas de levá-los a pensar”, explica. Entre as músicas ele faz uma pregação rápida, “que acaba atingindo um objetivo nosso que é fazer o cara refletir sobre a palavra de Deus”, explica. Em 2014 ele pretende organizar a primeira rave gospel, que deve durar 22 horas sem parar.

A maior balada gospel do Brasil é a Sky, que reúne em média seis mil pessoas na sede da Igreja Renascer, na Mooca, em São Paulo. Já existe há seis anos e também ocorre em outras cidades de SP e em breve deve chegar ao Nordeste.

Alexandre Ricardo Pereira, um dos organizadores, contou ao IG: “Nosso foco principal é trazer essa galera que não é evangélica para curtir o evento”. No mesmo local, a Renascer organizou em junho, a Moocareta, uma micareta gospel que deve ter mais uma edição ano que vem.

Embora sejam diferentes, esses eventos tem vários aspectos em comum. Seu público alvo tem idade entre 16 e 26 anos. Os ritmos presentes nas baladas são diversos, incluindo funk, axé, hip hop, black music e forró. Sempre em versão gospel, ou seja, com letras de conteúdo religioso.

Também é proibido o consumo de drogas e álcool. Para beber, refrigerante, energético e coquetel sem álcool. A chamada “pegação” é vedada. Existe até uma equipe da chamada “Operação Desgrude”, que separa os casais mais assanhados.

“Embora levem o nome de gospel, obviamente este tipo de evento é alvo de críticas de várias grupos evangélicos. “Há uma certa repressão. Tem pastores que proíbem os membros de participar”, diz Pereira, da Renascer.

O DJ Marcelo Araújo conta que geralmente convida quem o critica para conhecer a festa ao vivo. “A gente encara a música como louvor a Deus. Eles passam a olhar com outros olhos quando ouvem as letras. Todas têm mensagens totalmente evangélicas”, explica Neto Marotti, baixista e líder da banda de axé gospel DOPA, que também é pastor.

Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/sucesso-baladas-gospel/

SUPLEMENTO

Anúncios

[Assunto Polêmico] Pastor Lucinho Barreto critica falta de banda gospel no Rock in Rio! Aiai…

Pr. Lucinho

O pastor Lucinho Barreto, líder dos jovens da Igreja Batista da Lagoinha, foi entrevistado pela equipe do G1 de Goiás nesta segunda-feira (23) quando participava de um congresso evangélico voltado para adolescentes.

Lucinho falou sobre a técnica que ele desenvolveu para chamar a atenção de seu público alvo e ainda comentou sobre o Rock in Rio, evento musical que aconteceu nos últimos finais de semana no Rio de Janeiro.

O pastor criticou a falta de bandas gospel e ainda falou da falta de segurança do evento e da quantidade de pessoas que entraram em coma alcoólico. “Chamaram artistas de vários ritmos para tocar, mas nenhum gospel. E outra, pessoas chegaram até mim dizendo que foram roubados, viram outros usando drogas, entrando em coma alcoólico”, disse.

Apesar de aconselhar seus fiéis a não irem no evento, “a não ser que seja com os pais”, Lucinho Barreto não acha que o festival tem que acabar. “Não acho que deve acabar e também não é uma caça às bruxas, que isso fique bem claro.”

O pedido de Lucinho para ter uma banda evangélica no festival não é algo impossível, na edição de 2001 a banda Oficina G3 foi convidada a se apresentar no Rock in Rio e também o grupo Os Nazarenos representando o gospel nacional.

Trabalhando com jovens há mais de 20 anos, o pastor foi o criador do lema “Loucos por Jesus” e usa estratégias radicais para atrair a atenção para a mensagem bíblica. “Se não for radical, não toca o jovem”, disse ele.[Arauto: Acho que essa é a função do Espírito Santo]

“Quem me conhece sabe as loucuras que já fiz. Subi na mesa da praça de alimentação de um shopping para pregar e também já subi em trio elétrico”, lembra Lucinho dizendo que a polêmica foto onde ele aparece “cheirando” a Bíblia não foi a maior loucura já feita.

Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/lucinho-barreto-gospel-rock-in-rio/

[Testemunho] Depois de alguns anos, a Banda Catedral faz um vídeo, onde conta toda a Verdade!

catedral1

O Início

Os boatos de que a banda negaram sua fé começaram a partir de 2000, quando a banda assinou contrato com uma grande gravadora secular, a Warner Music. O Catedral na época pertencia ao cast da gravadora MK Music e quando apareceu a oportunidade na Warner, o contrato que a banda e a gravadora MK Music tinham foi rescindido por acordo mútuo.

No processo de divulgação da nova gravadora, a banda concedeu entrevista para o site “Usina do Som”. Quando a entrevista foi publicada, nela constavam diversas frases supostamente ditas pelos componentes da banda e que ofendia a igreja e o mercado evangélico. A banda Catedral negou veementemente que quaisquer membro da banda tenha feito aquelas afirmações e acusou o site de ter distorcido o que fora realmente dito.

Após a publicação da entrevista no site “Usina do Som”, a gravadora MK Music divulgou que a rescisão ocorrera por não querer vincular-se à banda, já que fora demonstrado na entrevista que esta não tinha compromisso cristão. Em diversos pontos afirmava que a saída da banda do cast da gravadora havia sido uma espécie de punição.

Diante do abalo da imagem da banda, esta processou a gravadora MK Music e, após 10 anos, a banda saiu vitoriosa. Clique aqui e confira a notícia publicada no Gospel+ sobre este processo.

Catedral no Programa do Jô

Um dos boatos que espalhou de maneira mais eficiente no meio cristão foi o de que a banda Catedral teria participado do Programa do Jô e lá teria negado a Cristo três vezes, assim como o apóstolo Pedro. A equipe do Gospel+ procurou na internet evidências da particpação da banda, se possível um vídeo, mas nada encontrou.

No blog de Kim, vocalista do Catedral, ele fala sobre o assunto quando questionado: “Agora sobre o boato do Jô partir da nossa produção, só se você for louco pra pensar isso!  Quem inventou isso inventou de uma maneira tão diferente que mesmo sendo a coisa mais estúpida que eu já vi,  pegou como se fosse uma verdade sem ter cabimento algum pois nunca fizemos esse programa. O que podemos fazer? Nada…”.

Marcos Honorato, fã da banda Catedral, trouxe a um grupo de emails sobre a banda uma prova de que tal entrevista nunca teria ocorrido. Na mensagem enviada ao grupo, Marcos encaminhara um email que seria a resposta da produção do Programa do Jô ao seu questionamento sobre se havia ocorrido a entrevista com a banda Catedral – uma resposta negativa, afirmando que a banda nunca teria participado do programa. Clique aqui e confira o email.(ou veja foto abaixo)

catedralJo

Em entrevista recente para o site “Creio”, Kim afirmou: Só nós sabemos o que passamos. Fomos injustiçados por inverdades. Fomos massacrados”.

É Cristã?

Levando em conta que o principal boato que colocava a fé da banda “em xeque” nunca foi provado, que uma entrevista com afirmações aparentemente manipuladas tenha manchado a fama da banda e que a grvadora MK Music teria agido precipitadamente ao afirmar que a banda não tinha compromisso cristão, questionamos: podemos afirmar que a banda Catedral é cristã?

Obviamente não cabe a nós julgar o compromisso da banda com Deus. Entretanto, faz se importante destacar que antes de levarmos adiante algum boato, devemos pesquisar se aquilo que afirmamos é, de fato, verdade ou não.

Deixamos este espaço aberto para todo aquele que tem alguma informação extra sobre o assunto. Colabore comentando esta matéria com todos os dados que você tiver sobre o assunto.

Fonte: Gospel+

SUPLEMENTO

A Banda Catedral deixou de ser Gospel há alguns anos, pois entenderam que não possuíam um “Ministério de Louvor“, mas sim uma “Profissão Artística“. Ao contrário de muitos que têm enganados os neófitos da Fé, eles assumiram ser “Profissionais da Música” e nem por isso deixaram de ser cristãos. Veja o depoimento do Kim sobre isso, abaixo:

Para entenderem que a atitude tomada pela Banda não foi de Apostasia, assista ao vídeo abaixo, onde o Yago Martins explica bem a diferença entre o Ministério de Louvor e a Profissão Musical:

Abaixo segue o recente vídeo feito pela Banda dando o seu Testemunho sobre a Calúnia que sofreram. Assistam e fiquem por dentro de toda VERDADE. Fiquei chocado, pois também fui enganado e deixei de ouvir as músicas da Banda por causa dessa MENTIRA. Também já sofri muito por causa de calúnia, então sei o que eles passaram e sentiram.

[Reflexão] Conheça a história do Hino: Amazing Grace – Emocionante

Momento histórico e emocionante de Wintley Phipps…

Vale a pena ver, ouvir e meditar… a maioria das vezes que vejo me arrupiu, pois Deus é maravilhoso e assim também o é a sua Graça!

Assistam ao vídeo e se emocionem! Paz….