[Estudo Bíblico] A Glória de Cristo no deserto – R. C. Sproul

deserto (1)

Imediatamente após seu batismo, Jesus foi sujeitado ao teste mais rigoroso pelo qual já passou um ser humano. Esse evento foi ordenado por Deus. Era uma tarefa que Jesus devia executar, a fim de se qualificar para a função de Redentor nosso. Lucas introduz o acontecimento com as palavras:

“Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi guiado pelo mesmo Espírito, no deserto” (Lc 4.1)

Jesus foi dirigido pelo Espírito ao lugar da sua provação, o deserto da Judéia. Este deserto é um dos lugares mais ermos da terra, uma rara combinação de montanhas e desertos. Os habitantes desse meio inóspito incluem escorpiões, cobras e algumas espécies de pássaros. Quase toda a paisagem é completamente árida.

Tenho uma lembrança viva de uma viagem de ônibus de Jerusalém para o Mar Morto. O caminho inclui um trecho do deserto da Judéia. Olhando pela janela do ônibus , fui dominado por uma sensação de mau pressentimento. Imaginei um homem caminhando, sozinho até a parte mais remota desse lugar. Arrepiou-me pensar em ficar sozinho ali.

Por que Deus dirigiria alguém a um lugar como esse para ser exposto à tentação? A razão para a tentação de Cristo deve ser encontrada em seu papel de Novo ou Segundo Adão. Como já vimos antes, Jesus tomou sobre si todas as obrigações impostas pela aliança de Deus como homem. A primeira aliança foi a aliança com Adão.

A aliança da criação é uma aliança universal. Todo ser humano esta incluído na aliança da criação. Não há como escapar das obrigações que ela impõem. Todas as pessoas tem uma cópia de suas ordenanças escrita no seu coração. Paulo afirmou isso da seguinte forma:

“Porque, quando os gentios, que não têm lei, fazem naturalmente as coisas que são da lei, não tendo eles lei, para si mesmos são lei; Os quais mostram a obra da lei escrita em seus corações, testificando juntamente a sua consciência, e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os;” (Rm 2.14-15)

Os homens podem até negar a existência de Deus ou recusar a honrá-lo. Mas a descrença ou desobediência da pessoa em nada prejudica o ser de Deus. Deus existe quer se creia ou não nele. Sua aliança esta de pé, mesmo se escolhermos desconsiderá-la. Todo ser humano está, de forma inescapável, ligado a um relacionamento de aliança com Deus. A aliança que Deus fez com Adão foi feita com o representante de toda a raça humana.

Na aliança com Adão, as bençãos de Deus foram prometidas pela obediência e a maldição foi prometida pela desobediência. Adão foi então experimentado. Quando ele pecou contra Deus, violou a aliança e levou ao desastre a raça humana inteira.

O ponto crucial da tentação de Adão é que ele não agia como individuo isolado. Ele agia como representante de toda a humanidade. A consequência para a raça humana, por causa do fracasso de Adão, é resumida por Paulo:

“Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.

Porque até à lei estava o pecado no mundo, mas o pecado não é imputado, não havendo lei. No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir.

Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos.

E não foi assim o dom como a ofensa, por um só que pecou. Porque o juízo veio de uma só ofensa, na verdade, para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação. 

Porque, se pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. 

Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida. 

Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos” (Rm 5.12-19)

Aqui, Paulo contrasta a derrota de Adão com a vitória de Cristo, o Novo Adão. Os dois, Adão e Jesus, serviram como representantes da aliança universal. Os dois foram submetidos a uma prova.

A obra de Cristo envolveu muito mais do que oferecer uma expiação para pagar os pecados do seu povo. Ele também teve de cumprir toda a justiça, a fim de merecer as recompensas da aliança para si mesmo e para aqueles a quem representou. Para Cristo ser nosso Salvador ele não só teve de morrer por nossos pecados, como também teve de viver uma vida de obediência para que pudesse ser nossa justiça.

A Bíblia diz que Cristo foi como nós em todos os pontos, a não ser em um: ele era sem pecado. O autor de Hebreus escreve:

“Visto que temos um grande sumo sacerdote, Jesus, Filho de Deus, que penetrou nos céus, retenhamos firmemente a nossa confissão. Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hb 4.14-15)

O fato de Jesus nunca ter pecado é crucial para a nossa salvação. Sua impecabilidade inclui não somente liberdade do pecado ativo, mas também liberdade do pecado original. O conceito de pecado original é importante para nosso entendimento da tentação de Cristo.

Quando os teólogos falam de pecado original, não se referem ao primeiro pecado cometido por Adão e Eva. Eles se referem ao resultado daquela primeira transgressão, à natureza decaída que foi transmitida para a raça humana. O pecado original não é um ato, é uma condição.

É a condição do homem decaído que é descrita na Bíblia como sendo “na carne“. Isso quer dizer que, como criaturas caídas, nós somos escravizados pelo pecado, tendo o coração e a vontade inclinados para a desobediência.

Qual era a condição de Jesus quando enfrentou sua tentação? Na posição de Novo Adão enfrentando uma nova experiência, Jesus nasceu sem pecado original. Jesus possuía o mesmo estado moral que Adão possuía antes da queda. Jesus tinha a capacidade de pecar e a capacidade de não pecar. Como o primeiro Adão, ele teve uma escolha.

Alguns cristãos perguntam então: Era realmente possível Jesus ter pecado?

Se era humanamente impossível Jesus ter pecado, então sua provação foi apenas uma charada? Alguns insistem que, visto que Deus não pode pecar nunca e que Jesus é Deus encarnado, era impossível Jesus ter cometido pecado. A questão focaliza em como compreendemos as duas naturezas de Cristo. É óbvio que a natureza divina de Jesus não tem capacidade de pecar. Mas quanto a atuação de Jesus como Novo Adão, estamos tratando de sua natureza humana. Em Jesus, a natureza divina estava unida à natureza humana não caída. Isso significa que a natureza humana não tinha o pecado original. A natureza humana, como Adão antes da Queda, tinha a capacidade de pecar e a capacidade de não pecar.

Podemos então dizer que, quanto à sua natureza humana, era possível Jesus pecar. Devemos insistir que a natureza humana de Cristo tinha a capacidade de pecar assim como Adão pecou. Contudo, devemos também lembrar que essa natureza humana estava em intima união com a natureza divina, uma união que Adão não possuiu.

A tentação de Cristo não foi uma charada vazia. Toda a força do inferno estava mobilizada contra a natureza humana de Jesus. Em sua natureza humana, ele sofreu sob o peso da fome, da solidão e todos os outros perigos do deserto.

Para termos um retrato da severidade da prova dada a Jesus, observar alguns contrastes entre a experiência dele e a de Adão pode nos ajudar.

O lugar de provação de Adão foi o Éden, um paraíso, um jardim verdejante, com belo ambiente e comida abundante. Adão foi testado com o estômago cheio; Jesus foi testado em meio a um longo jejum.

Adão tinha a Eva. Devemos lembrar que a esposa foi a criação especial de Deus para ser uma companheira perfeita. Adão e Eva foram sujeitos ao assalto do mal contra eles enquanto tinham um ao outro em quem encontrar apoio. Jesus enfrentou sozinho o tentador.

Para muitas pessoas, a solidão não é barreira ao pecado. Geralmente, constitui uma oportunidade para pecar, com a esperança de que o pecado passe despercebido. A Bíblia fala daqueles pecados cometidos em particular, acobertados pela escuridão. A presença de outras pessoas que podem testemunhar nosso comportamento muitas vezes serve para nos deter. Mas Jesus estava sozinho.

Outro contraste entre o primeiro Adão e o Segundo Adão foi a ausência e a presença do costume de pecar. Quando Adão e Eva foram testados, não havia o clima cultural de pecado. Não existia pecado nenhum. Era um ambiente cultural de pureza original. Quando Jesus entrou em sua tentação, ele o fez em um mundo acostumado ao pecado.

Era um ambiente que achava pouca ou nenhuma dificuldade em fazer concessões à fraqueza humana. Era uma cultura que aceitava um nível de comportamento bastante aquém da perfeição. Jesus teve de enfrentar o argumento comum:

“Que mal há em fazer uma pequena concessão ao mal? Todo mundo faz isso”.

O padrão para o qual Jesus foi chamado a sustentar foi um padrão que nenhum ser humano conseguiu alcançar. Diariamente somos atraídos a padrões que são mais baixos do que os padrões de Deus. Adotamos um relativismo moral no qual nos julgamos baseados na comparação com outros. Enquanto podemos apontar para outros que pecam mais do que nós, podemos descansar nossa consciência um pouco. Mas, para Jesus no deserto não havia esperança de que Deus iria julgá-lo pela estatística da média. A missão que Jesus recebeu foi de alcançar a obediência perfeita. Nada menos seria suficiente, se era para Ele se qualificar como o Cordeiro sem defeito.

Quando a carta aos Hebreus declara que “não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas” está nos fazendo lembrar que nosso Salvador foi submetido a uma tentação muito real. Jesus sentiu a força do assalto de Satanás nas profundezas de sua humanidade. Além da questão do estado no qual Jesus foi tentado, temos a considerar também a própria provação.

O assalto de Satanás à Jesus 

Já examinamos as questões teológicas com respeito à tentação de Jesus. Agora enfocaremos o assalto de que Satanás se utilizou para atrair Jesus. Seguiremos a narração do evento que Lucas nos apresenta:

“E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão e foi levado pelo Espírito ao deserto;

E quarenta dias foi tentado pelo diabo, e naqueles dias não comeu coisa alguma; e, terminados eles, teve fome.

E disse-lhe o diabo: Se tu és o Filho de Deus, dize a esta pedra que se transforme em pão.

E Jesus lhe respondeu, dizendo: Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra de Deus.

E o diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo.

E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero.

Portanto, se tu me adorares, tudo será teu.

E Jesus, respondendo, disse-lhe: Vai-te para trás de mim, Satanás; porque está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás.

Levou-o também a Jerusalém, e pô-lo sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo;

Porque está escrito: Mandará aos seus anjos, acerca de ti, que te guardem,

E que te sustenham nas mãos, Para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra.

E Jesus, respondendo, disse-lhe: Dito está: Não tentarás ao Senhor teu Deus” (Lc 4.1-12).

Primeiro Satanás procurou chegar a Jesus tentando-o com a ideia de transformar pedra em pão. Jesus tinha passado quarenta dias sem comer.

A descrição de Satanás na Bíblia é de um ser sutil e esperto. Logo que apareceu em Gênesis 3.1, como a serpente que tentou Eva, ele é descrito nesses termos:

“A serpente, mais sagaz que todos os animais selváticos que o Senhor Deus tinha feito, disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?”

Vê-se a sutileza da tentação de Satanás pela maneira em que ele expressa a sedução. Ele diz a Jesus: “Se és Filho de Deus, manda que esta pedra se transforme em pão”. A palavra chave é “se. O diabo com toda a sutileza levanta a questão sobre a identidade de Jesus.

A tentação tem força dupla. A primeira força trata abertamente da fome de Jesus. Em sua natureza, é claro que Jesus sentia a necessidade de comer. O desejo de comer que um homem faminto tem não é pecado. O apetite físico em si não tem valor moral negativo. Mas é um desejo. O desejo é um instigador forte para muitos tipos de pecado. Devemos considerar a explicação que Tiago nos oferece sobre esse ponto:

“Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte” (Tg 1.13-15).

Tiago insiste que Deus nunca é o tentador para o mal. Deus prova as pessoas, mas nunca as tenta a pecar. É claro que o Espírito Santo mandou Jesus ao deserto para ser provado. Mas o Espírito não foi o agente da tentação em si. Isso foi obra de Satanás.

Tiago descreve como a tentação ocorre:

“Cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz”. (Tg 1:14)

Tiago aqui faz uma analogia com o processo do parto. Assim como o nascimento da criança é a culminação da concepção, o pecado é a culminação do desejo mau. O pecado tem sua concepção nos desejos malignos do coração.

Como isso se aplica à tentação de Cristo? Será que Jesus teve de lutar contra seus desejos a fim de evitar dar à luz ao pecado (esta é a sugestão escandalosa tornada infame na versão do filme A Última Tentação de Cristo)?

É ponto crucial lembrar que, quando Tiago narra como os desejos maus conduzem ao pecado, ele está descrevendo a situação que se aplica à humanidade decaída. Tiago compreende perfeitamente que os desejos maus também estão sob o juízo de Deus porque pertencem ao complexo da pecaminosidade. Para Jesus ser livre do pecado original também significa que Ele estava livre dos maus desejos. Um só desejo mau no coração de Jesus teria sido o suficiente para desqualificá-lo de ser o Salvador.

Mas, se Jesus não teve maus desejos, como ele podê ser tentado? Aqui é preciso distinguir entre dois tipos de tentação, a tentação interna e a tentação externa. Tentação interna tem a ver com a luta contra desejos maus que Tiago discute. Tentação externa se refere a artimanhas que vêm de alguém ou de alguma coisa fora de nós mesmos. “Vamos assaltar um banco esta noite e ficar ricos”. Do mesmo jeito, posso ter um desejo de ser rico, mas não tenho nenhum desejo de assaltar um banco. Tal sugestão pode não suscitar nenhum desejo mau dentro de mim.  A tentação é puramente externa. É um convite a pecar que veio de alguém externo à minha pessoa.

A tentação de Jesus foi puramente externa. Cristo teve só de ouvir Satanás quando este o instigava externamente para que pecasse, sem ter de suportar a luta interna contra desejos carnais. Mas ele teve um desejo interno. Estava com fome. Tinha o desejo de alimentar-se, o que não constituiu pecado. Satanás procurou tentar Jesus a satisfazer um desejo legitimo usando de meios ilegítimos. Querer pão não teria sido pecado, mas transformar a pedra em pão teria sido, sim.

A artimanha sutil de Satanás fracassou. Jesus sem dúvida quis comida, mas quis muito mais obediência. Sua comida e bebida era fazer a vontade de Deus.
Satanás também tentou levantar questões na mente de Jesus sobre a confiabilidade da Palavra de Deus. Vejo isso como fazendo parte da verdadeira essência da tentação.

As palavras Se tu és Filho de Deus sutilmente levantam o assunto do status de Jesus com o Pai. É como se Satanás dissesse: “Como podes ser Filho de Deus e estar nesse lugar e nessas condições? Será que não fica rebaixada a dignidade do Filho de Deus? Deus abandonaria seu Filho em uma desolação dessa? Se és Filho de Deus, então certamente lhe é permitido tirar dessas pedras o alimento para começar o dia”.

Lembre-se do final da narrativa sobre o batismo de Jesus. Os céus se abriram, um pombo desceu e Deus falou audivelmente. A mensagem de Deus que veio do céu foi, que Jesus era seu amado Filho. Isto é, as últimas palavras que Jesus ouvira do Pai antes de entrar em tentação foram as palavras que o declaravam Filho de Deus.

Satanás focalizou seu ataque justamente na confiabilidade da Palavra de Deus. Ele levantou perguntas sobre a confiança de Jesus naquilo que Deus havia declarado.

Isso traz lembranças da tentação que a serpente apresentou a Adão e Eva.

“Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais. Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis” (Gn 3.1-4).

Aqui, Satanás começou sua tentação com uma pergunta: “Será que Deus disse mesmo…?” O satânico assalto inicial sobre a raça humana começou com uma pergunta sobre a confiabilidade de Deus. Satanás conhecia muito bem que Deus não dissera às suas criaturas que não lhes era permitido comer de nenhuma das árvores do jardim. Na realidade, Deus tinha dito:

“De toda árvore do jardim comerás livremente” (Gn 2.16).

Eva defendeu a Deus nesse ponto rapidamente:

“E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos,

Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais” (Gn. 3.2-3).

A serpente sugeriu que se Deus impôs quaisquer restrições às suas criaturas, então não eram verdadeiramente livres. O filósofo existencialista francês, Jean-Paul Sartre, argumentou que só a autonomia é a liberdade real – ser totalmente livre de toda a autoridade. Isso parece a reclamação que os pais ouvem dos filhos frequentemente. Se em seis dias seguidos permitimos que nossas crianças façam o que querem e no sétimo negamos um pedido, ouvimos as palavras de protesto: Você nunca me deixa fazer nada. Qualquer que tenha sido a sutileza da serpente no começo do argumento, dali ela passou a contradizer Deus sem sutileza nenhuma, abertamente:

“Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais. Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal” (Gn. 3.3-5).

Vocês, certamente, não morrerão. Aqui Satanás desafia diretamente a veracidade de Deus. Eva foi confrontada com um problema enorme, a questão de determinar quem estava dizendo a verdade. Será que deveria confiar em Deus, ou deveria entregar-se ao ceticismo da serpente?

O que levou a raça humana a cair em pecado foi a rejeição da confiabilidade de Deus. A manobra de Satanás funcionou bem com Adão e Eva. Ele usou a mesma técnica com Jesus. Quando Satanás desafiou Jesus a transformar pedras em pães na primeira tentação, Jesus respondeu citando a Bíblia! Ele respondeu:

“Está escrito: Não só de pão viverá o homem” (Lc 4.4).

E aqui Jesus cita o Antigo Testamento diretamente:

“E te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conheceste, nem teus pais o conheceram; para te dar a entender que o homem não viverá só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor viverá o homem” (Dt 8.3).

A resposta de Jesus não só incluía uma citação da Bíblia, como era um texto bíblico que salientava a necessidade de viver pela fé na Palavra de Deus. É como se Jesus dissesse a Satanás: Eu não preciso comer pão para saber que sou o Filho de Deus. Meu Pai o declarou. Eu vivo de cada palavra que procede de sua boca.

Quando a primeira tentação falhou, Satanás passou para outra:

“E o diabo, levando-o a um alto monte, mostrou-lhe num momento de tempo todos os reinos do mundo.

E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero.

Portanto, se tu me adorares, tudo será teu.

E Jesus, respondendo, disse-lhe: Vai-te para trás de mim, Satanás; porque está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e só a ele servirás” (Lc 4.5-8).

Essa tentação focaliza a missão de Jesus. Jesus recebera a promessa de ser rei e de ter toda a autoridade e glória atribuída a quem é o Rei dos reis. Mas primeiro Ele precisava cumprir a missão de Servo Sofredor de Israel. Seu reino seria alcançado através da humilhação, sofrimento e morte. Agora Satanás lhe oferecia o reino sem a necessidade de pagar o preço da humilhação. Eis o prêmio de pura glória sem o sofrimento. Jesus só teria de dar ao príncipe maligno deste mundo um momento de adoração. Talvez Satanás só quisesse que Jesus dobrasse o joelho, fizesse uma ligeira reverência. Bastaria isso para satisfazê-lo, porque com o menor ato de reverência a ele, a obediência de Jesus teria sido comprometida. Novamente, Jesus respondeu à tentação com a citação das Escrituras: 

“Jesus lhe respondeu: Está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele darás culto” (Lc 4.8)

Jesus submeter-se a Satanás seria violar a Palavra de Deus. Em vez de quebrar os mandamentos, Jesus optou pelo caminho do sofrimento e humilhação.

Na terceira tentação, o próprio Satanás apela às Escrituras. Ele busca torcer a Palavra de Deus como ferramenta para seus próprios vis propósitos:

“Levou-o também a Jerusalém, e pô-lo sobre o pináculo do templo, e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo; Porque está escrito: Mandará aos seus anjos, acerca de ti, que te guardem, E que te sustenham nas mãos, Para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Dito está: Não tentarás ao Senhor teu Deus” (Lc 4.9-12)

Satanás apela à Escritura e sugere que Jesus prove que as Escrituras são verdadeiras, colocando-as sob teste. É quando Jesus repreende Satanás por colocar Escritura contra Escritura. Satanás sugeriu um método de verificar a veracidade da Bíblia usando meios não permitidos na Palavra de Deus. Satanás retorna de novo à questão de Jesus ser Filho de Deus: “Se tu és Filho de Deus…” Jesus se recusou a comprometer a Escritura. Ele viveu seu próprio ensino de que a Escritura não pode ser transgredida.

Jesus também nos dá uma lição hermenêutica. Ele não quis nada com uma interpretação bíblica que considerasse um único trecho à parte do todo. Ele não interpretaria um trecho da Escritura de maneira a colocá-la em conflito com outro trecho.

Com a vitória de Jesus na terceira tentação, Satanás deixou-o sozinho, pelo menos por um tempo. Mateus nos oferece o acréscimo de uma informação maravilhosa:

“Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram” (Mt 4.11).

Satanás acabara de tentar a Jesus para provar que anjos viriam cuidar dele numa crise. Nenhum anjo esteve visível durante a tentação. Contudo, uma vez vencida a tentação, os anjos se manifestaram e assistiram às suas necessidades. Seu momento de triunfo sobre o assalto de Satanás foi unido a um momentâneo sabor de glória, indicado pela presença dos anjos ministradores. O Filho de Deus foi alimentado e confortado. Ele estava agora pronto para embarcar no seu ministério terreno.

Fonte: http://trilhandonocaminhoestreito.blogspot.com.br/2013/12/a-gloria-de-cristo-no-deserto-r-c-sproul.html

SUPLEMENTO

Todos nós cristãos, à semelhança de Cristo, passamos por Desertos, afim de sermos provados e aperfeiçoados! Assista abaixo o Deserto que vive, onde Deus se revelou e me libertou do Ateísmo!

[Maná Celestial] Perseverança na Provação!

provação

“Bem-aventurado o homem que suporta com perseverança a provação; porque, depois de ter sido aprovado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam.” Tiago 1.12

A oração é o serviço de guerra espiritual mais pesado na vida de um renascido. Preste atenção o quanto Satanás lhe tenta justamente na sua vida de oração, procurando por todos os meios afastar você dela. Isso acontece porque por meio da oração perseverante almas preciosas são arrancadas das garras dele. Por isso, chamo a sua atenção para um determinado tipo de adversário que Satanás usa para nos distrair: ele usa pessoas. Que tipo de pessoas são essas? Pessoas religiosas. Quando Jesus andava aqui na terra, não foram os pecadores perdidos os seus maiores inimigos. Pelo contrário, Jesus estava sempre rodeado por eles. Seus piores inimigos foram os religiosos. No fim, até O pregaram na cruz. Hoje em dia acontece o mesmo. O maior desprezo você encontrará nos cristãos sem Cristo. Gostaria de perguntar aos assim chamados cristãos: vocês sabem para onde estão indo? Vosso cristianismo acomodado agrada muito ao diabo. Se vocês não se converterem, quer dizer, se não ocorrer a verdadeira renovação do coração, um dia passarão a pertencer a Satanás, o inimigo das vossas almas, para todo o sempre. Levemos todos a sério o que diz Tiago:

“Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus e Ele se chegará a vós outros”. Tiago 4:7-8a

Autor: Dirley Volcov

Deserto – O Seminário de Deus!

“Decorridos quarenta anos, apareceu-lhe, no deserto do monte Sinai, um anjo, por entre as chamas de uma sarça que ardia. Disse-lhe o Senhor… Vi, com efeito, o sofrimento do meu povo no Egito, ouvi o seu gemido e desci para libertá­-lo. Vem agora, e eu te enviarei ao Egito. ”  At 7.30,33,34

 

Essa foi uma longa espera, em preparação para uma grande missão. Quando Deus parece “tardar”, ele não está inativo. Está preparan­do seus instrumentos, está deixando amadurecer nossos poderes; e no momento aprazado, nos levantaremos à altura da nossa tarefa. Mesmo Jesus de Nazaré permaneceu trinta anos no silêncio, crescendo em sabedo­ria, antes de começar sua obra. – Dr. Jowett

Deus nunca está com pressa. Ele gasta muito tempo preparando aque­les que pretende usar para um serviço mais importante na sua obra. Ele nunca considera o tempo da preparação demasiadamente longo nem des­necessário.

O ingrediente mais difícil de se suportar é, muitas vezes, o tempo. Um golpe agudo e rápido é suportado mais facilmente, mas quando um sofrimento se arrasta por anos longos e monótonos, e a cada dia conti­nua presente, com a mesma rotina enfadonha de irremediável agonia, o coração perde a força, e, sem a graça de Deus, certamente cairá num amargo desespero. Longa foi a prova de José, e, muitas vezes, Deus tem de gravar suas lições no nosso coração por meio do fogo de uma dor prolongada. ”Assentar-se-á como um ourives e refinador de prata”, mas ele sabe por quanto tempo, e como um verdadeiro ourives ele di­minui o fogo no momento em que vê a sua imagem no metal brilhante. Podemos não ver agora o resultado do plano grandioso que Deus está ocultando na sombra de sua mão; e este pode ser-nos ainda oculto por muito tempo; mas a fé pode estar certa de que ele está assentado no trono, esperando calmamente pela hora em que, em arrebatamento e adoração diremos: “Todas as coisas contribuíram juntamente para o bem.” Sejamos, à semelhança de José, mais cuidadosos para aprender as lições na escola da dor, do que ansiosos pela hora do livramento. Há um “se necessário” para cada lição, e quando estivermos prontos, por certo virá o livramento, e descobriremos que não poderíamos ter per­manecido firmes no nosso posto de serviço, sem as lições que apren­demos na fornalha da provação. Deus está nos educando para o futuro, para um serviço mais elevado e para bênçãos mais sublimes; e se temos qualidades que nos habilitam para uma posição de autoridade, nada nos poderá impedir de ocupá-Ia, quando chegar o tempo de Deus. Não roubemos da mão de Deus o amanhã. Devemos dar-lhe tempo para falar conosco e revelar-nos a sua vontade. Ele nunca está atrasado; aprendamos a esperar.

Não corramos afoitamente adiante do Senhor; aprendamos a esperar pelo seu tempo: tanto o ponteiro dos minutos como o ponteiro das horas precisam estar apontando o momento da ação.
Fonte: Manaciais no Deserto

A Fornalha das Aflições

“… que andam passeando dentro do fogo … ” (Dn 3.25)

       As chamas não impediram os movimentos deles; andavam no meio do fogo. Ele foi uma das avenidas pelas quais seguiram em direção ao ponto final. O conforto da revelação de Cristo não é que ela nos ensine a nos emanciparmos do sofrimento, mas a nos emanciparmos atra­vés do sofrimento. 

       Ó Deus, ensina-me a ver que, quando as sombras descem, estou apenas num túnel. Basta-me saber que um dia tudo estará bem.

       Eu sei que um dia chegarei à glória da ressurreição. Mas eu quero mais, ó Pai: quero que seja o Calvário que me leve até lá. Quero ver nas sombras deste mundo as sombras de uma estrada – a estrada para a casa de meu Pai. Diga-me que eu tenho somente que subir esta avenida pois a tua casa fica lá no alto! Eu não sofrerei dano algum do sofrimento, se andar no meio do fogo. – George Matheson

Ó Pai, eu estremeço ao ser provado!

Sei que sairei como ouro refinado,

Mas enquanto no fogo,

Quero ver-te a meu lado.

Quero ver-te, Senhor!

Fonte: Manaciais no Deserto

Moídos feito Trigo!!

Leitura do dia: Is 28:28 

 

Muitos de nós não podem servir de alimento para saciar a fome do mundo, porque precisam ser ainda partidos nas mãos de Cristo. "O cereal é esmiuçado." A bênção de Cristo muitas vezes signifi­ca sofrimento, mas mesmo o sofrimento não é preço alto demais a se pagar pelo privilégio de trazer bênção a outras vidas. O que há de mais precioso no mundo hoje veio-nos através de lágrimas e dor. – J.R.Miller

 

Deus me tornou em pão para os seus eleitos, e se for necessário que o pão seja moído nos dentes do leão para alimentar os seus filhos, bendito seja o nome do Senhor. – lnácio

 

"Para que possamos nos dar inteiramente, é preciso que sejamos consumidos. Nós cessamos de ser bênção, quando cessamos de sangrar”.

 

"A pobreza, a necessidade e a desventura têm levado muitas vidas a atos de heroísmo moral e de grandeza espiritual.” A dificuldade lança um desafio à energia e perseverança. Ela apela para as mais fortes qualidades da alma. Nos relógios antigos, eram os pesos que os conservavam funcionando. Muitos pés-de-vento têm sido utilizados para levar embarcações ao porto. Deus envia as dificuldades, como um incentivo à fé e à ação.

 

"Os mais ilustres homens da Bíblia foram esmiuçados, trilhados, moí­dos e transformados em pão para o faminto.” Abraão é conhecido pelo título de ‘pai dos crentes’. Isto porque ele obteve o primeiro lugar na escola da aflição e da obediência.

 

"Jacó sofreu severas moeduras”. José foi trilhado e padejado, e teve que suportar a cozinha de Potifar e a prisão do Egito antes de ir para o trono.

 

"Davi, caçado pelos montes como uma perdiz, cansado e alquebrado, com os pés feridos, foi triturado e transformado em pão para um reino. Paulo nunca poderia ter sido pão para a casa de César se não tivesse passado pela moedura, açoites e apedrejamento. Ele foi moído até tornar-se em farinha da mais refinada qualidade para a família real."

 

"Tal combate, tal vitória. Se Deus tem determinado para nós grandes aflições, estejamos certos de que no seu coração ele nos tem reservado um lugar muito especial. O crente grandemente atribulado é uma pessoa eleita. "

 

Fonte: Mananciais no Deserto