[Estudo Bíblico] Orando como Jesus ensinou!

LEITURA BÍBLICA

Mateus 6:5-13

E, quando orares, não sejas como os hipócritas; pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão.Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidosNão vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes.

Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome;

Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;

O pão nosso de cada dia nos dá hoje;

E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;

E não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém.

INTRODUÇÃO

Na lição de hoje, estudaremos a respeito da oração mais conhecida de todos os tempos: a Oração do Pai Nosso. Para ensinar os discípulos a orar, Jesus proferiu esta conhecida oração (Mt 6.9-13). Esse modelo de oração é singular pela sua simplici­dade e adequado pela sua objetividade e propósito; é um modelo que serve aos crentes de todos os tempos.

I. A ORAÇÃO DEVE SER INERENTE AO CRENTE

1. Aprendendo a orar com o Mestre.

Jesus estava orando em determinado lugar com seus discípulos. Quando terminou de orar, os discípulos pediram-lhe que os ensinasse a orar, como também João ensinou aos seus discípulos (Lc 11. 1). O Se­nhor Jesus deu início a sua aula so­bre oração, declarando: “Portanto, orareis assim”. Todavia, Jesus não estava dizendo que os discípulos “deviam” repetir mecanicamente esse modelo de oração toda vez que buscassem a face de Deus.

2. Os discípulos já conhe­ciam a respeito da oração?

 Os discípulos já tinham conhecimen­to da importância da oração, pois os judeus devotos e os gentios que criam em Deus tinham como costume orar. De acordo com Atos 3.1, os judeus tinham um horário determinado para as orações: de manhã (às 9h), à tarde (às 15h) e à noite (no pôr do sol). Todavia, os discípulos nunca viram alguém orar como o Mestre.

Jesus no Sermão da Monta­nha ensinou a respeito de como devemos orar:

“E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pêlos homens. Em verdade vos digo que já recebe­ram o seu galardão. Mas tu, quan­do orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recom­pensará” (Mt 6.5,6)

Jesus ensinou acerca disso, porque os líderes religosos de sua época, gostavam das orações em lugares públicos para chamarem a atenção (Mt 6.5,6), porém Jesus ensina que devemos ter o nosso momento secreto com o Pai em oração (Mt 6.3).

3. A oração era algo habitu­al para Jesus e seus discípulos.

Os discípulos podiam observar o exemplo de Jesus. A oração era uma prática habitual entre eles (Lc 5.16; At 3.1). Precisamos buscar a face de Deus em oração diariamente. É impossível que um discípulo não converse com seu mestre; que um servo não conheça o que o seu se­nhor deseja. Como está a sua vida de oração? Precisamos buscar a face de Deus em oração diariamente. A oração e a Palavra de Deus são im­prescindíveis para uma vida cristã vitoriosa como discípulo e amigo do Senhor Jesus (Jo 15.1 5).

II. A ORAÇÃO-MODELO

1. “Pai nosso, que estás nos céus” (v.9).

Logo no início da Oração do Pai Nosso, Jesus ensina a quem devemos dirigir nossas petições. Deus é o Pai Celestial de todos os que seguem o “novo e vivo caminho“: o seu Filho Jesus Cristo (Hb 9.20; Jo 1.12,13; 14.6).

A Bíblia declara que o Espírito Santo transmite ao crente a certeza de que Deus é seu Pai.

“O Espírito testifica com o nosso espírito de que somos filhos de Deus”. (Rm 8.15,16)

Ao contemplar a Deus como Pai, o crente deve ter em mente três verdades bíblicas sobre o amor de Deus:

a) Deus nos amou primeiro.

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigé­nito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3.16).

O seu amor por nós precede a nossa própria exis­tência e, consequentemente, as nossas transgressões (Rm 5.8).

b) Deus nos adotou como filhos pelo Espírito de adoção (Rm 8.15).

Por meio da obra redentora de Cristo Jesus na cruz:

“[…] nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade” (Ef 1.5).

c) Deus nos fez herdeiros seus.

A única coisa destinada ao homem era a sua própria condenação, resultante dos seus pecados (Rm 6.23;Jo 3.18,19). Entretanto, Deus, que é riquíssimo em misericórdia quis nos justificar por sua graça e amor (Rm 3.24; Tt 3.7). Ele:

“[…] segundo a sua grande misericór­dia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, incontaminável e que se não pode murchar, guardada nos céus para vós” (1 Pe 1.3,4).

2. “Santificado seja o teu nome” (v.9).

Deus é santo (Is 6.3). Seu nome é exaltado em cima nos céus e em baixo na terra, acima de qualquer outro nome (Is 12.4). A santidade de Deus é manifesta através do crente que dá bom testemunho. É dever de todo o crente honrar como santo o nome do Senhor nosso Deus, não só de lábios, mas com sua vida santa (1 Pe 1.15,16). Muitos estão profa-nandcho nome de Deus à medida que dão mau testemunho.

3. “Seja feita a tua vonta­de” (v. 10).

Abrir mão da nossa vontade nem sempre é fácil, re­quer total dependência de Deus. Jesus, como homem perfeito, é o nosso exemplo. Certa vez Ele afirmou:

“A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou…” (Jo 4.34).

Deus é um Pai amoroso e a sua vontade sempre é boa, agradável e perfeita, por isso, devemos nos submeter a ela com alegria. Entretanto, como descobrir a vontade de Deus? Mediante a oração.

A oração não é um monólogo, mas um diálogo onde podemos ouvir Deus e saber qual direção tomar. Como está escrito:

“Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas” (Sl 23.2).

III. DECORRÊNCIAS PRÁTICAS DA ORAÇÃO-MODELO

1. “O pão nosso de cada dia”: a luta diária contra a auto-suficiência.

Jesus nos ensina que, por mais que o homem trabalhe e lute para obter o seu sustento, Deus é o Provedor. Nenhum homem pode ignorar as providências divinas, mesmo que suas posses “garan­tam” sua manutenção (Dt 11.14,15; 28.12; Mt 5.45). A Bíblia declara que:

“Inútil vos será levantar de madru­gada, repousar tarde, comer o pão de dores, pois assim dá ele aos seus amados o sono” (Sl 127.2).

Deus conhece todas as nos­sas necessidades, de modo que não devemos estar inquietos por nossa subsistência (Mt 6,25-32; Sl 37.25; 34.10).

2. Perdão das nossas dí­vidas.

O pecado é uma dívida que o homem contrai para com Deus quando transgride a sua Lei. O Senhor Jesus nos ensina a buscar o perdão do Pai e perdoar os que nos ofendem. Jesus deixa claro que só seremos perdoados por Deus pelas nossas faltas, se perdoarmos os que nos prejudi­cam:

“se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós. Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas”. (Mt 6.14,1 5)

3. Livramento do mal.

Todo crente está sujeito às tentações e ataques do mal. Todos têm o seu lado frágil e susceptível ao mal de cada dia (Rm 7.15-19; Cl 5.17; Tg 1.14,15; 1 Co 10.12, 13); este fato não pode ser negligenciado. Jesus nos advertiu:

“Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca”.  (Mc 14.38)

SUPLEMENTO

CONCLUSÃO

Quando o crente aprende bi­blicamente como se dirigir a Deus em oração, estando com a sua vida cristã em ordem, passa a ter a certeza de que suas orações serão respondidas. Afinal, as Sagradas Escrituras nos garantem:

“Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedi­reis tudo o que quiserdes, e vos será feito”.  (Jo 15.7)

Fonte: CPAD 2010