[e-News] Especialista em educação nos EUA afirma que Bíblia beneficia formação de crianças

biblieVsEUA

Um especialista em educação argumentou que “a educação nos EUA pode se beneficiar ao usar a Bíblia para aulas de literatura e oração”.

Experiente pesquisador acadêmico, William Jeynes defendeu o papel da Bíblia nas escolas públicas, em um evento do Conselho de Pesquisa da Família dos EUA.

A conferência debateu o retorno da Bíblia nos programas de ensino, levantando as desvantagens de quando o ensino pela Bíblia foi retirado das aulas no país, desde a década de 1960.

Em 1963, a Suprema Corte dos EUA decidiu que era inconstitucional manter as aulas bíblicas sectárias dentro das escolas públicas.

A decisão na época, conhecida como o caso Abingdon v. Schempp, determinou que o ensaio da Bíblia podia ser feito desde que fosse de maneira neutra e objetiva.

Dentro das circunstâncias, Jeynes acredita que a retirada da Bíblia teve um reflexo significativamente nocivo, o que leva trazer a discussão à tona.

O pesquisador acredita que é possível resgatar bons valores, com esforços para lançar a Bíblia em aulas de literatura de todo o país.

Além do poder de desenvolvimento moral, ele ressalta a capacidade que a Bíblia tem como instrumento de ensino, ao ajudar os alunos com uma melhor compreensão da literatura ocidental.

Quanto à presença de livros de outras religiões, Jeynes explica que não teria o mesmo peso, pela influência que a Bíblia possui na história dos Estados Unidos.

“Goste ou não, é verdade. Ela (a Bíblia) tem um lugar especial em nossa sociedade. Ela deve ter um lugar especial em nosso currículo”, pondera.

Jeynes espera levar o movimento adiante, com o apoio de cerca de 440 distritos escolares pelo país, que querem implementar cursos sobre a Bíblia.

Antes, a inclusão do livro sagrado terá que encarar o fogo cruzado de grupos de vigilância da igreja e do estado. Muitos deles acreditam que a Bíblia no ensino público dos EUA promoveria a doutrinação cristã involuntariamente nas escolas.

Fonte: CPADNews

SUPLEMENTO

A filha de Billy Graham (grande escritor desta geração) estava sendo entrevistada no Early Show, e Jane Clayson perguntou a ela:

‘Como é que Deus teria permitido algo horroroso assim acontecer no dia 11 de setembro?’

Anne Graham deu uma resposta profunda e sábia:

‘Eu creio que Deus ficou profundamente triste com o que aconteceu, tanto quanto nós. Por muitos anos temos dito para Deus não interferir em nossas escolhas, sair do nosso governo e sair de nossas vidas. Sendo um cavalheiro como Deus é, eu creio que Ele calmamente nos deixou. Como poderemos esperar que Deus nos dê a sua benção e a sua proteção se nós exigimos que Ele não se envolva mais conosco?’

À vista de tantos acontecimentos recentes; ataque dos terroristas, tiroteio nas escolas, etc… Eu creio que tudo começou desde que Madeline Murray O’hare (que foi assassinada), se queixou de que era impróprio se fazer oração nas escolas Americanas como se fazia tradicionalmente, e nós concordamos com a sua opinião.

Depois disso, alguém disse que seria melhor também não ler mais a Bíblia nas escolas…A Bíblia que nos ensina que não devemos matar, roubar e devemos amar o nosso próximo como a nós mesmos. E nós concordamos com esse alguém.

Logo depois o Dr.. Benjamin Spock disse que não deveríamos bater em nossos filhos quando eles se comportassem mal, porque suas personalidades em formação ficariam distorcidas e poderíamos prejudicar sua auto estima (o filho dele se suicidou) e nós dissemos:

‘Um perito nesse assunto deve saber o que está falando’.

E então concordamos com ele.

Depois alguém disse que os professores e diretores das escolas não deveriam disciplinar nossos filhos quando se comportassem mal. Então foi decidido que nenhum professor poderia tocar nos alunos…(há diferença entre disciplinar e tocar).

Aí, alguém sugeriu que deveríamos deixar que nossas filhas fizessem aborto, se elas assim o quisessem.E nós aceitamos sem ao menos questionar.Então foi dito que deveríamos dar aos nossos filhos tantas camisinhas, quantas eles quisessem para que eles pudessem se divertir à vontade.E nós dissemos:

‘Está bem!’

Então alguém sugeriu que imprimíssemos revistas com fotografias de mulheres nuas, e disséssemos que isto é uma coisa sadia e uma apreciação natural do corpo feminino. Depois uma outra pessoa levou isso um passo mais adiante e publicou fotos de Crianças nuas e foi mais além ainda, colocando-as à disposição da internet.E nós dissemos:

‘Está bem, isto é democracia, e eles tem o direito de ter liberdade de se expressar e fazer isso’.

Agora nós estamos nos perguntando porque nossos filhos não têm consciência e porque não sabem distinguir o bem e o mal, o certo e o errado; porque não lhes incomoda matar pessoas estranhas ou seus próprios colegas de classe ou a si próprios… Provavelmente, se nós analisarmos seriamente, iremos facilmente compreender que nós colhemos só aquilo que semeamos!!!”

Triste fato!!

[Maná Celestial] Examinais as Escrituras…

biblia

“Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim.”João 5.39

Existem pessoas que dizem: “Eu vou à igreja, isso me basta!” Quem fala assim? Em geral são aqueles que estão satisfeitos com a pregação do domingo. Em cristãos desse tipo se faz a triste constatação de que seus interesses, exceto uma certa religiosidade, estão voltados para outras coisas. A pessoa que não tem fome pela Palavra de Deus, mesmo se chamando cristã, deve se perguntar se é renascida.

Pessoas assim gostariam muito de apagar a divisa entre o mundo e o discipulado de Jesus. Neste instante pode surgir a pergunta: mas não se pode mais gozar a vida? Não se pode ir ao cinema, ver um bom filme, não se pode mais dançar? Simplesmente vá tantas vezes quantas seu coração tem fome disso. Mas saiba que este é justamente o termômetro que mostra até que ponto você tem a Jesus de verdade. Aquele que de fato é renascido não pode mais correr atrás do mundo. Estamos no mundo, mas não somos mais do mundo. Jesus Cristo se tornou o conteúdo e alvo de toda a nossa vida. Por isso, Ele nos separa de tudo que possa nos impedir de seguir em direção a esse alvo.

Pense nisso! E assista ao vídeo abaixo:

Autor: Dirley Volcov

 

[e-News] Nova lei pode punir quem defende a Bíblia

Biblia suja

O Conselho da Cidade de San Antonio, no Texas está analisando uma proposta que pode criar um precedente político perigoso naquele que já foi “o maior pais cristão do mundo”. Esse Conselho, que funciona como as Câmaras de Vereadores do Brasil, estuda uma proposta de lei que pode discriminar e punir quem crê na Bíblia.

Sob o título de ser “contra o preconceito”, a questão principal é a punição daqueles que demonstrarem publicamente qualquer forma de preconceito. Isso incluiria qualquer coisa dita contra os homossexuais, o que seria um problema para quem defende a Bíblia.

Os cristãos da cidade já se mobilizam, pois segundo o teor divulgado da nova lei, qualquer pessoa que for enquadrada nessa legislação não poderá, por exemplo, participar do governo da cidade.

O texto divulgado da lei diz: “Nenhuma pessoa poderá ser nomeado para um cargo ou ter uma ligação contratual, se a prefeitura entender que essa pessoa tiver, antes da nomeação, envolvida em discriminação ou demonstrou preconceito, por palavra ou ação, contra qualquer pessoa, grupo ou organização, seja por causa de raça, cor, religião, nacionalidade, sexo, orientação sexual, identidade de gênero, condição de saúde, idade ou deficiência”.

Ou seja, se um cristão declarar em um púlpito, numa rádio ou TV ou ainda em mídia impressa que a homossexualidade é pecado ou condenada por Deus poderá responder na justiça. Basta que um gay afirme se sentir ofendido e poderá abrir um processo alegando preconceito de “orientação sexual”. Também impediria que um cristão comprometido possa assumir qualquer cargo público na cidade, seja como conselheiro (vereador), prefeito, juiz, promotor ou algo de menor expressão. Isso incluiria pessoas que fazem negócios ou prestam serviço ao município.

Os opositores do projeto, na sua maioria líderes das Igrejas da cidade, defendem que a proposta viola os direitos de liberdade de religião, liberdade de expressão, além de contrariar a Constituição do Estado do Texas.

O pastor Charles Flowers, da Igreja Faith Outreach, é um dos líderes do movimento que tenta barrar a votação, ele disse ao site OneNewsNow que o conceito de “preconceito” é muito amplo e “pode significar qualquer coisa”. Já o pastor Steve, da Igreja Batista em Village Parkway, diz “os funcionários públicos cristãos da cidade serão muito prejudicados com isso.”

Mesmo com tanta controvérsia, o projeto será votado no mês que vem, segundo divulgou o Conselho da Cidade de San Antonio, em muitos aspectos, essa lei lembra alguns aspectos da PL 122 que tramita no Senado desde 2006.

De autoria da ex-senadora do PT, Marta Suplicy, ela “criminaliza a homofobia” e poderá ser votada ainda este ano, segundo anunciou o presidente do Senado, Renan Calheiros. Ele declarou recentemente que não esperará pelos senadores da bancada evangélica que tentam barrar a votação. “O processo legislativo caminha mais facilmente pelo acordo, pelo consenso, pelo entendimento. Quando isso não acontece, tem que submeter à votação, à apreciação. É o que vai acontecer em relação ao projeto da homofobia”. Com informações WND.

Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/nova-lei-pode-punir-quem-defende-a-biblia/

[e-News] Smartphones ajudam cristãos da Igreja Perseguida

Com estes equipamentos fica mais fácil carregar a Bíblia sem chamar atenção das autoridades

O ministério Portas Abertas relata que os smartphones estão ajudando cristãos da Igreja Perseguida a alimentar sua fé, podendo acessar a Palavra de Deus nesses equipamentos.

Em países onde é proibido carregar uma Bíblia, como na China, por exemplo, os cristãos podem levar o Livro Sagrado armazenado no cartão de memória do telefone sem correr riscos de repressão.

Para exemplificar como estes aparelhos estão revolucionando o dia a dia dos crentes em países onde o evangelho é perseguido, o ministério conseguiu o depoimento de um cristão da Ásia Central que presenteou um amigo com um cartão de memória contendo a Bíblia.

“Você é meu melhor amigo, por isso quero te dar algo muito especial”, disse o cristão ao entregar o presente. Além de conter um exemplar da Bíblia a memória do cartão continha também um filme sobre Jesus, vídeo que eles puderam assistir juntos.

“Eu agradeço à Portas Abertas por esses chips de memória. Agora eu posso ouvir a Palavra de Deus o tempo todo e em qualquer lugar”, disse o amigo que foi presenteado.

Hoje é possível não só ter a Bíblia no cartão de memória para poder lê-la sempre que possível, como também é possível fazer download da Bíblia em áudio.

Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/smartphones-ajudam-cristaos-da-igreja-perseguida/

[Estudo Bíblico] A Leitura Devocional da Bíblia

LEITURA BÍBLICA 

2 Pedro 1.16-21.

16 – Porque não vos fizemos saber a virtude e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, seguindo fábulas arti­ficialmente compostas, mas nós mes­mos vimos a sua majestade,

17 – porquanto ele recebeu de Deus Pai honra e glória, quando da mag­nífica glória lhe foi dirigida a seguin­te voz: Este é o meu Filho amado, em quem me tenho comprazido.

18 – E ouvimos esta voz dirigida do céu, estando nós com ele no monte santo.

19 – E temos, mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia esclareça, e a estrela da alva apareça em vosso coração,

20 – sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação;

21 – porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem al­gum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo.

INTRODUÇÃO

Neste domingo, veremos por que a leitura da Bíblia é-nos tão im­prescindível e vital. Aliás, mais im­prescindível do que o ar que respi­ramos e mais vital do que o pão que nos sustenta (Dt 8.3). Tem você a necessária disciplina para ler e estu­dar a Bíblia? Faz-se a Palavra de Deus parte de seu cotidiano? (Sl 119.97). Ou ela já se perdeu entre os livros de sua estante?

I. O QUE É A BÍBLIA

1. Definição.

A definição mais simples, porém direta e forte, que en­contramos das Escrituras Sagradas é esta: A Bíblia é a inspirada e inerrante Palavra de Deus. Infelizmente, nem todos os teólogos aceitam a ortodo­xia deste conceito; alegam que, nes­te, há um desconcertante simplismo. Todavia, encontra-se esta definição isenta do erro dos liberais e livres das sutilezas dos neo-ortodoxos.

2. A posição liberal.

Os libe­rais sustentam que a Bíblia apenas contém palavras de Deus, mas não é  a Palavra de Deus. Outros liberais vão mais longe: asseveram que a Bíblia não é nem contém a Palavra de Deus; não passa de um livro qualquer.

3. A posição neo-ortodoxa.

Já os neo-ortodoxos lecionam: a Bíblia torna-se a Palavra de Deus à medida que, alguém, ao lê-la, tem um encon­tro experimental com o Senhor Je­sus. Todavia, quer o leitor da Bíblia curve-se quer não se curve ante os arcanos divinos, continuará a Bíblia a ser a Palavra de Deus.

4. A posição ortodoxa.

Os ortodoxos, porém, com base nas Sagradas Escrituras, asseveramos que a Bíblia é, de fato, a Palavra de Deus. Ela não se limita a conter a Palavra de Deus; ela é a Palavra de Deus. Ela também não se torna a Palavra de Deus; ela é e sempre será a Palavra de Deus (2 Tm 3.16).

II. AS GRANDES REIVINDICAÇÕES DA BÍBLIA

É de fundamental importância tenhamos sempre, no coração, as grandes reivindicações da Bíblia Sagrada: sua inspiração, inerrância, in­falibilidade, soberania e completude.

1. A inspiração da Bíblia.

 Já que a Bíblia é a Palavra de Deus, sua inspiração não é comum nem vulgar; é singular e única, porquanto inspi­rada pelo Espírito Santo. As Escritu­ras mesmas reconhecem sua divina inspiração (2 Tm 3.16; 2 Pe 1.21).

2. A inerrância da Bíblia.

Ins­pirada divinamente, há que se con­cluir: a Bíblia acha-se, em termos absolutos e infinitos, isenta de er­ros. Nela, não encontramos a míni­ma inexatidão quer histórica, quer geográfica, seja teológica seja dou­trinária (Sl 19.7;119.140).

REFLEXÃO

“A Escritura é uma revelação e proclama­ção de vida, mas quando é rejeitada é uma proclamação de morte (Dt 30.15;2 Co 2.16).”

(John R. Higgins)

3. A infalibilidade da Bíblia.

A Bíblia não é apenas inerrante; é também infalível. Tudo o que o Se­nhor prometeu-nos, em sua Palavra, cumpre-se absolutamente. Entretan­to, há teólogos que alegam defen­der a infalibilidade da Bíblia, mas lhe rejeitam a inerrância. Ora, como podemos considerar algo infalível se é errante? Sua errância, por acaso, não virá a contraditar-lhe, inevitavel­mente, a infalibilidade?

Quanto a nós, reafirmamos: tan­to a inerrância quanto a infalibilida­de da Bíblia são incontestáveis (Dt 18.22;1 Sm 3.19; Mc 13.31; At 1.3).

4. A soberania da Bíblia.

Evan­gélicos e herdeiros da Reforma Pro­testante, confessamos ser a Bíblia a autoridade suprema em matéria de fé e prática (Is 8.20; 30.21; 1 Co 14.37). Isto significa que encontra-se a Bíblia acima das tradições e primados hu­manos; ela é a inquestionável e abso­luta Palavra de Deus.

5. Completude da Bíblia.

O Apocalipse encerrou, definitiva e irrecorrivelmente, o cânon da Bíblia Sagrada; nenhuma subtração, ou adi­ção, está autorizada à Palavra de Deus (Ap 22.18-21). Portanto, não se ad­mite quaisquer escrituras, profecias, sonhos ou visões que, arrogando-se palavra de Deus, reivindique autori­dade semelhante ou superiora Bíblia.

III. COMO LER A BÍBLIA

Afirmou com muita precisão o teólogo Martin Anstey: “A qualifica­ção mais importante exigida do lei­tor da Bíblia não é a erudição, mas sim a rendição; não a perícia, mas a disposição de ser guiado pelo Espírito de Deus”. Estudemos, pois, a Palavra de Deus, conscientes de que o Senhor continua a falar-nos hoje como outrora falava a Israel e à Igreja Pri­mitiva. Devemos, por conseguinte:

1. Amar a Bíblia.

Nossa pri­meira atitude em relação à Bíblia é amá-la como a inspirada Palavra de Deus. Declara o salmista todo o seu amor às Escrituras: “Oh! Quanto amo a tua lei! É a minha meditação em todo o dia” (Sl 119.97).

2. Ter fome da Bíblia.

Se ti­vermos fome pela Bíblia, haveremos de lê-la todos os dias. Se é penoso passar sem o pão de cada dia, como privar-se do alimento que nos vem diretamente do Espírito de Deus as Sagradas Escrituras? O profeta Ezequiel, tão logo encontra a Pala­vra de Deus, come-a (Ez 3.3).

3. Guardar a Bíblia no cora­ção.

Ao cantar as belezas da Pala­vra de Deus, o salmista confessa ternamente:

“Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti” (Sl 119.11).

Os leitores periféricos da Bíblia lêem-na, mas dela se esquecem. Não assim o sua­ve cantor de Israel; mesmo fechan­do-a depois de seu devocional, abria-a em seu coração.

4. Falar continuamente das grandezas singulares da Bíblia.

Eis o que Moisés prescreve aos filhos de Israel, a fim de que estes jamais venham a se esquecer dos manda­mentos do Senhor:

“Estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; e as intimarás ateus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te. Também as ata­rás por sinal na tua mão, e te serão por testeiras entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas”

(Dt 6.6-9)

IV. OS EFEITOS DA BÍBLIA EM NOSSA VIDA

Quanto mais lermos a Bíblia, mais sábios nos tornaremos. Ela orienta-nos em todos os nossos caminhos; conso­la-nos quando nenhum consolo huma­no é possível; mostra-nos a estrada do Calvário e leva-nos ao lar celestial.

1. A Bíblia dá-nos sabedoria.

“Os teus mandamentos me fazem mais sábio que os meus inimigos; porque, aqueles, eu os tenho sem­pre comigo” (Sl 11 9.98 – ARA).

2. A Bíblia dá-nos a orienta­ção segura.

 “Tu és a minha rocha e a minha fortaleza; … guia-me e encaminha-me” (Sl 31.3).

3. A Bíblia dá-nos o neces­sário consolo.

 “Isto é a minha con­solação na minha angústia, porque a tua palavra me vivificou” (Sl 119.50).

4. A Bíblia dá-nos a provisão de salvação.

“Desfalece-me a alma, aguardando a tua salvação; porém espero na tua palavra” (Sl 119.81 -ARA).

5. A Bíblia leva-nos ao lar celeste.

No encerramento do cânon sagrado, somos revigorados com a viva esperança de, um dia, virmos a tomar posse da Cidade Santa (Ap 22.18-20).

CONCLUSÃO

Tem você lido regularmente a Bí­blia? Ela é o seu consolo? Ou não pas­sa a Palavra de Deus de um simples acessório em sua estante? É hora de nos voltarmos, com mais empenho e amorosa dedicação, ao Livro de Deus.

[Estudo Bíblico] A Saúde Física e Mental

LEITURA BÍBLICA

Gênesis 2

16 – E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim comerás livremente,

17 – mas da árvore da ciência do bem e do mal, dela não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

Gênesis 6

3 – Então, disse o Senhor: Não contenderá o meu Espírito para sem­pre com o homem, porque ele tam­bém é carne; porém os seus dias serão cento e vinte anos.

Salmo 90

10 – A duração da nossa vida é de setenta anos, e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, o melhor deles é canseira e enfa­do, pois passa rapidamente, e nós voamos.

INTRODUÇÃO

O mundo pós-moderno é con­traditório em relação à saúde física, mental e emocional. Apesar da gran­de quantidade de métodos tera­pêuticos, remédios, hospitais e clí­nicas especializadas, nunca houve tantas pessoas enfermas no corpo e na alma, como nos últimos tempos. Nós, que conhecemos a Palavra de Deus, sabemos que esse quadro é conseqüência do pecado transmiti­do a todos os homens (Rm 5.12).

I. A ORIGEM DAS DOENÇAS

1. O pecado no Éden.

As do­enças originaram-se da queda do homem no Éden. Antes do pecado, não havia enfermidades, desgastes, envelhecimento e morte, mas a de­sobediência de nossos primeiros pais trouxe medo, moléstias, dete­rioração e morte (Gn 3.10,17-19).

A primeira enfermidade foi de ordem emocional. A Bíblia sustenta que Adão e Eva, ao pecarem, senti­ram medo (Gn 3.8-1 0). Depois, cer­tamente sobrevieram-lhes as demais seqüelas emocionais, psicológicas e físicas.É do pecado, como estado e como ato, que procedem todas as doenças.

2. A corrupção do gênero humano.

À medida que o pecado crescia no mundo, diminuía a dura­ção da vida humana na terra. No iní­cio da criação, o homem vivia cente­nas de anos (Gn 5.1-27), mas com a multiplicação da iniqüidade, Deus li­mitou-lhe a vida a 120 anos (Gn 6.3,5-7;11,12). Mais tarde, na dispensação da Lei, a média da vida humana de­cresceu para 70 anos (Sl 90.10).

3. A desobediência ao Senhor.

Deus prometeu ao povo de Israel abençoá-lo grandemente, caso obede­cessem à sua voz (Dt 28. 1-13). Em con­trapartida, se desobedecessem, levari­am sobre si as maldições proferidas no Monte Ebal (Dt 27.11 -26), entre as quais todos os tipos de enfermidades.

II. A PROLIFERAÇÃO DAS DOENÇAS FÍSICAS

Vivemos em um mundo bastan­te enfermo. Há doenças que são ori­ginárias exclusivamente da obstina­da desobediência:

“Porque o que se­meia na sua carne da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Es­pírito do Espírito ceifará a vida eter­na” (Gl 6.8).

Apesar do notável avan­ço da ciência, há determinados tipos de doenças que continuam ceifando milhares de vidas. Vejamos:

1. Infarto.

O infarto do miocárdio mata cerca de 350.000 pes­soas por ano no Brasil. Dentre as causas que provocam este mal des­tacam-se o estresse e os maus hábi­tos alimentares.

2. Câncer.

Continua sendo uma das enfermidades mais temidas e devastadoras do mundo. Atinge a qualquer pessoa indistintamente, inclusive os crentes. É preciso orar e ensinar, com base na Palavra de Deus, sobre a cura divina, mudança de hábitos e estilo de vida.

3. Acidente Vascular Cerebral (AVC).

É a terceira causa de mortes no mundo, de acordo com a Organi­zação Mundial de Saúde (OMS). Infe­lizmente, muitos servos de Deus têm sido vítimas desse terrível mal.

REFLEXÃO

“O sofrimento humano é consequência da queda de Adão, não da vontade de Deus. O desejo de Deus é certamente abençoar a sua criação, e não prejudicá-la.”

(Vernon Purdy)

III. DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS

1. Tudo começa na mente.

Se a mente não estiver sã, o corpo tam­bém não estará. De acordo com a Medicina e a Psicologia, muitas do­enças são causadas por problemas emocionais, tais como medo, inve­ja, ira, mágoa, ódio.

A Bíblia adver­te que não devemos estar inquietos por coisa alguma e que precisamos ter paz interior (Fp 4.6-8), está escrito:

“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.

E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.“
Filipenses 4:6-8

Por isso, amar e perdoar são sentimentos pre­ventivos contra as doenças mentais e emocionais (Jo 13.34,35; Cl 3.1 3; SI 18.1a; Rm 12.10).

2. Doenças causadas por ten­são emocional.

Há inúmeras doen­ças que têm origem nesse terrível inimigo da saúde. Por isso, a Bíblia ensina:

“O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abati­do virá a secar os ossos” (Pv 17.22). Ler Pv 14.30; 15.13; Ne 8.10. 3. Fatores que contribuem para doenças psicossomáticas.

a) Competitividade excessiva.

O mundo moderno é extremamente competitivo, razão pela qual gran­de parte das pessoas é ansiosa. A Bíblia nos recomenda “descansar no Senhor” (Sl 37 5,7; Mt 6.30-34).

b) Luta pelo sucesso profissional.

A falta de preparo profissional, o de­semprego e a obtenção de um bom desempenho profissional, levam mui­tos a ficarem frustrados. O crente em Jesus não se desespera, mas confia no Senhor (Sl 55.22; l Pe 5.7).

c) Insucesso na vida afetiva.

Há muitos que sofrem porque não con­seguem se casar e constituir uma família. Isso também ocorre no meio evangélico. O remédio? Confiar em Deus. Ele é a solução para todos os lossos problemas.

d) Estresse.

O estresse ocasio­nal não causa neuroses ou outro tipo de doença da mente. Entretanto, o estresse constante tende a desen­volver enfermidades mais graves. Por isso, a Bíblia ensina que não devemos andar ansiosos (Mt 6.25), e que nossas ansiedades devem ser lançadas sobre o Senhor (l Pe 5.5-7).

Nesse sentido, a igreja deve ser instruída à luz da Palavra e da ciên­cia social, pois, conforme nos ensi­na a Bíblia, devemos entregar o nos­so caminho ao Senhor; confiar nele, e Ele tudo fará (Sl 37.5; Mt 6.33).

IV. OS SALVOS PODEM ADOECER

1. A “Teologia da Prosperi­dade”.

Os proponentes dessa falsa teologia ensinam que o crente fiel não pode adoecer, pois a doença é do Diabo. Propalam que todo cristão deve viver uma vida plena, isen­ta de doenças; e que, na idade avan­çada, devem viver sem dor ou sofrimento.

Segundo esses “teólogos”, quem fica doente não está reivindi­cando seus direitos como filho de Deus ou não tem fé. O ensino bíbli­co, porém, é claro ao ensinar que muitas são as aflições do justo.

2. O corpo ainda não está ple­namente salvo.

Na cruz, Jesus garantiu a salvação de nosso espíri­to, alma e corpo, dando-nos direito à vida eterna e à cura das enfermida­des, em seu nome (Is 53.4,5; Mc 1 6.1 8).

Entretanto, quanto ao corpo, o efeito da obra salvífica ainda não se manifestou plenamente. Isso por­que, enquanto o espírito e a alma (o homem interior – 2 Co 4.16) são sal­vos no momento da conversão a Cris­to, o corpo ainda aguarda a completa redenção (Rm 8.23; l Co 15.42-45, 53,54). Todavia, isto não significa que não podemos ter uma vida saudável.

V. PLANO DIVINO PARA UMA VIDA SAUDÁVEL (Ex 15.26)

Tanto no Antigo como no Novo Testamento, o Senhor é apresentado como aquEle que sara as enfermida­des do seu povo (Ex 15.26; Mt 8.14-17; l Pe 2.21; Sl 103.3).

No Antigo Tes­tamento, a condição para experimen­tar a cura divina era a obediência à Lei (Dt 7.11 -15), mas no Novo, ela está disponível a todos quantos se conver­tem a Deus mediante a fé em Jesus.

Êxodo 15.26, apresenta algumas condições para que o homem viva uma vida abençoada e saudável. Vejamos:

1. Obedecer à voz do Senhor.

Deus fez promessas maravilhosas ao seu povo como resultado da obe­diência (Dt 28.1,2). A obediência irrestrita a Deus põe o homem em comunhão com o Espírito Santo. Essa sujeição à vontade do Senhor, por meio do relacionamento do cren­te com o Espírito de Cristo, é fundamental para o equilíbrio emocional.

2. Fazer o que é reto diante de Deus.

Mesmo sofrendo oposição dos que praticam o erro, o crente ín­tegro, sente paz com Deus e dorme com a consciência tranqüila, sob as bênçãos do Senhor. A integridade e a obediência a Deus produzem paz in­terior e equilíbrio emocional (Sl 55.22).

3. Guardar os estatutos do Senhor.

Os estatutos são como uma regulamentação dos mandamentos de Deus. É a “lei do Senhor” tão mencionada na Bíblia, principalmente nos Salmos. Esse “plano de saúde” divino tem sua explicitação em ou­tros textos, como por exemplo, Deuteronômio 7.15a: “E o SENHOR de ti desviará toda enfermidade…”.

4. Jesus Cristo é o Médico Divino.

Ele curou a muitos de enfer­midades físicas (Mt 8.16); expulsou demônios (Mc 1 .34); e concedeu, em seu nome, autoridade aos seus ser­vos para também curar e expulsar demônios (Mc 16.1 7.18). Jesus não mudou; Ele é o mesmo (Hb 13.8). Em o nome de Jesus somos atendidos em nossas orações (Jo 14.13), mas é necessário estarmos em comunhão com Ele e com sua Palavra (Jo 15.7).

CONCLUSÃO

Um dia não haverá mais doenças nem morte (Ap 21.4). Porém, en­quanto estamos aqui, devemos zelar pela nossa saúde física, mental e emocional. Precisamos lembrar que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, por isso, temos de cuidar de nossa saúde por meio de uma alimen­tação correta, repouso adequado, exercícios físicos, jejum e oração.