[Maná] Aquecendo um casamento morno

Apocalipse 3:16: “Mas, porque são apenas mornos, nem frios nem quentes, vou logo vomitá-los”.

Roberto e Júlia estão casados há catorze anos. Ao dirigir seu carro para o trabalho, Roberto vai refletindo sobre as mudanças em seu casamento. Ele pensa: “Júlia está cada vez mais dedicada aos filhos; mantém a casa impecável e ainda consegue dar aulas três vezes por semana naquela escola da Prefeitura, mas não há mais aquele calor no relacionamento como há alguns anos atrás. Os beijos são mecânicos e os abraços são sempre interrompidos pelas crianças querendo alguma coisa”.

Ao voltar para casa, Roberto sente que sua vida parece um carrossel – a mesma música, o mesmo círculo, girando, girando, com pouco tempo para aqueles momentos de ternura, consideração e amor que os levaram a se casar.

A pergunta que muitos fazem é a mesma de Roberto: como parar o carrossel de um casamento morno e trazer de volta o calor de um relacionamento alegre e cheio de vida?

Um casamento morno, como água morna, pode embrulhar o estômago. Quando nos tornamos frios, quietos, voltados para dentro de nós mesmos, isto nos deixa isolados.

Quando renovamos nosso amor a Cristo, a frieza do nosso coração e do nosso casamento vai embora e retorna o calor da compreensão, do perdão, da ternura, que se estende às pessoas ao nosso redor, trazendo de volta o entusiasmo pela vida.

Reflita sobre isso no dia de hoje e ore comigo agora:

Senhor, dá-nos a chance de renovar nosso amor dentro do casamento; ajuda-nos a quebrar a rotina para uma vida mais cheia de entusiasmo. Por favor. Em nome de Jesus, amém!

Anúncios

[Maná] A receita da boa imagem

“O coração alegre aformoseia o rosto, mas com a tristeza do coração o espírito se abate” (Provérbios 15:13).

Uma famosa estrela de televisão latino-americana gastou a extraordinária soma de 120 mil dólares para realizar várias cirurgias, com o fim de rejuvenescer. Implantes, lipoaspiração e cirurgias em várias partes do corpo.

Três anos depois, os noticiários anunciaram a tentativa de suicídio. Drogada, alcoolizada e envelhecida, ninguém que a visse poderia acreditar que havia pouco tempo gastara uma fortuna para “aformosear o rosto”.

Salomão fala hoje da alegria como a melhor receita para a beleza exterior. Um coração alegre, basicamente é um coração agradecido e confiante. A confiança gera o otimismo. As circunstâncias podem ser as mais absurdas. Do ponto de vista humano, pode dar a impressão de que tudo está de cabeça para baixo. A dor, a tristeza e as adversidades podem ter cercado você implacavelmente e, mesmo assim, você confia e é grato porque sabe que a sua vida está nas mãos de Deus.

O ressentimento, a mágoa, o rancor, a inveja são fontes de água envenenada. Quando você permite que elas se acumulem no seu coração, as consequências são visíveis e refletem-se no rosto.

Se isso é verdade na vida da pessoa, também é realidade na família, na empresa ou na instituição. Quando as pessoas estão alegres e felizes, quando o líder – seja ele o pai ou o gerente – consegue levar alegria e confiança aos seus liderados, o resultado é visto na imagem da instituição ou da família. O rosto é formoso porque o coração está contente.

Qual é a imagem que a sua família, sua empresa ou sua igreja projeta? É você um líder? Você não acha que talvez seja preciso sair do escritório, deixar de lado a burocracia, para chegar mais perto do ser humano, do filho, da esposa, do trabalhador ou do companheiro?

Se você é um homem de negócios, pense que, quanto mais felizes estiverem seus empregados, melhor atenderão aos clientes. E quanto mais satisfeitos estiverem os clientes, maior será o sucesso do seu negócio.

Revise os seus valores e atitudes hoje, antes de enfrentar mais um dia de trabalho, e lembre-se de que: “O coração alegre aformoseia o rosto, mas com a tristeza do coração o espírito se abate.”

Pratique isso no dia de hoje e ore comigo agora:

Grande Deus e Pai: que no dia de hoje eu tenha um sorriso nos lábios e a certeza no coração que não estou sozinho nessa jornada. Abrace também a cada um de meus ouvintes, agora. Em nome de Jesus, amém!

[Maná] As Jóias da Coroa

“Iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do Seu chamamento, qual a riqueza da glória da Sua herança nos santos” (Efésios 1:18).

Antes do tempo do Aiatolá Khomeini os que visitavam Teerã podiam ver as joias da coroa da Pérsia. O Xá as tinha ordenado em uma sala onde o turista podia passar por perto e reconhecer os vasos de pérolas, diamantes e rubis. Tudo isso parecia tão casual, tão acessível, mas todos os visitantes sabiam que guardas de olhares atentos observavam através das fendas nas paredes verificando cada movimento.

Sem dúvida essa deve ter sido a mais impressionante coleção de joias em exibição em qualquer parte do mundo. Ultrapassava em muito as joias da coroa da Dinamarca e deixava para trás até mesmo as joias reais da Inglaterra.

Foi necessário pouca imaginação para retratar uma princesa persa escolhendo cuidadosamente o seu caminho por entre a coleção e pedindo um diadema ou um colar.

Mas considere as joias da coroa do Rei dos reis. Paulo fala em mais de uma passagem das riquezas de Sua glória. Com isto ele quer dizer no mínimo duas coisas. Primeira, o grande e abundante amor que Deus nos tem mostrado enviando Jesus Cristo para redimir e justificar o pecador.

Nenhuma mente humana pode medir esta graça. Deus estabeleceu em Jesus Cristo uma ação positiva tendo em vista cada pecador. Sua atitude procura sempre salvar. Deus está interessado em salvar a todos os que Ele pode por causa do preço pago.

Se este é o seu caso, então opera a segunda verdade. Você, a quem Jesus resgatou a um preço extraordinário, assume um valor muito além de qualquer estimativa humana. Paulo declara reiteradamente que os santos são a Sua glória.

O preço pago é suficiente e portanto Deus é glorificado aos olhos do Universo. Somos para “louvor da Sua glória” (Ef 1:12).

O exército celestial observa ansiosamente enquanto a raça humana caminha em um mundo redimido cheio de tais riquezas. O incentivo do Céu procura não impedir mas fazer com que você estenda a mão e arranque da graça divina as próprias coisas que necessita para adornar a vida com justiça.

Portanto, permita que Deus fortaleça hoje sua mão fraca e tremente que se estende esperançosa em direção de Suas riquezas. É você indigno? Apodere-se de Sua dignidade. É você impuro? Tome Sua pureza. É você fraco? Apodere-se de Sua força. Adorne-se com Suas riquezas.

[Maná] O Bispo e o traficante

“Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador” (Lucas 18:13).

Você conhece a parábola de Jesus sobre o bispo e o traficante? Claro que sim! Você a conhece melhor como o fariseu e o publicano (ou “cobrador de impostos”, na Nova Tradução na Linguagem de Hoje). Ao lermos a parábola do fariseu e do publicano, geralmente falhamos em compreender o grande contraste que Jesus traçou entre os dois indivíduos da história. Notamos que um deles é uma pessoa religiosa, enquanto o outro não professa religião alguma; mas paramos por aí. Jesus, porém, estava dizendo muito mais do que isso ao escolher esses dois personagens.

Na época de Jesus, os fariseus se consideravam os mais piedosos e conscienciosos da nação. Eles não estavam envolvidos no sumo sacerdócio. Outro grupo, o dos saduceus, é que controlava o sumo sacerdócio e acabou tornando esse ofício uma base de força política.

Os saduceus não acreditavam em anjos ou na ressurreição dos mortos e aceitavam como inspirados apenas os primeiros cinco livros da Bíblia, a Torá. Em nítido contraste, os fariseus obedeciam estritamente à lei, tanto as leis escritas quanto aquelas transmitidas pelas tradições orais.

Para o povo da época de Jesus, se havia alguém que seria salvo, certamente seriam os fariseus. Assim, Jesus escolheu como primeiro personagem alguém que estava no nível mais alto da hierarquia religiosa. Ocupando o nível mais baixo, porém, estava o cobrador de impostos. Ele era odiado e desprezado como colaborador dos romanos, um traidor. Os romanos não cobravam impostos diretamente do povo; preferiram deixar esse trabalho para ser feito por agentes judeus. Esses agentes geralmente eram corruptos; costumavam cobrar tudo o que fossem capazes de arrancar do povo.

Você consegue perceber a natureza radical da parábola agora? Os dois personagens representam as pessoas que aparentemente são as que têm melhor chance de receber a vida eterna e as que têm menos chance.

No fim da parábola, porém, a expectativa dos ouvintes é frustrada. O candidato menos provável volta “justificado” para casa, o que significa que foi considerado justo aos olhos de Deus. E o outro volta para casa exatamente do mesmo jeito que chegou ao Templo, como um pecador necessitando de salvação.

O que fez a diferença? Um, apenas um, reconheceu sua verdadeira condição. Um, apenas um, rogou sinceramente pela misericórdia de Deus. E apenas ele encontrou a salvação. A graça flui plena e livremente a toda pessoa que sente sua necessidade e clama a Deus.

Faça isso no dia de hoje e ore comigo agora:

Por favor, Pai, eu preciso de Ti. Eu não tenho nada. Como aquele pecador, eu oro a Ti, agora. Por favor, tenha misericórdia de mim. Eu não sou nada. Eu dependo completamente de Ti. Em Teu nome, em nome de Jesus, amém!

Fonte

[Maná] Ferramenta de Deus

“Ofereçam os membros do corpo de vocês a Ele [Deus], como instrumentos de justiça” (Romanos 6:13).

Quando se trata de nosso corpo, a Bíblia declara que nós não o possuímos.

“Acaso não sabem […] que vocês não são de si mesmos? Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o seu próprio corpo” (I Cor 6:19-20).

Usar seu corpo para dar vazão às paixões? Para chamar a atenção? Para expressar suas opiniões? Não. Use seu corpo para honrar a Deus.

“Ofereçam os membros do corpo de vocês a Ele [Deus], como instrumentos de justiça” (Rm 6:13).

Seu corpo é um instrumento de Deus, destinado à obra e à glória dEle.

Que trabalho é mais importante do que o trabalho de Deus? Não é razoável que as ferramentas de Deus sejam preservadas?

Preserve o instrumento de Deus. Alimente-o. Dê-lhe descanso. Quando Deus precisar de uma ferramenta vigorosa – um servo que esteja descansado o suficiente para servir, abastecido o suficiente para trabalhar, alerta o suficiente para pensar – que Ele encontre tudo isso em você. Ele usa você.

Seu corpo é uma ferramenta de Deus. Preserve-o.

Seu corpo é o templo de Deus. Respeite-o.

Ore comigo:

Pai celestial, somos Teus filhos e queremos usar nosso corpo como ferramenta para honrar a Ti. Ajuda-nos a sermos fiéis para cuidar de nosso corpo com comida, descanso e exercícios adequados. Em nome de Jesus, amém!

Fonte

[Maná] Muralhas protetoras

“Guardo no coração as Tuas palavras, para não pecar contra Ti” (Salmo 119:11).

A Palavra de Deus é uma fortaleza que nos protege das investidas do inimigo. Seus altos muros nos propiciam segurança, impedindo que os soldados do cruel adversário se infiltrem em nosso coração.

À margem de um braço do Rio Amazonas, na cidade de Macapá, no extremo Norte do Brasil, foi construído um forte para impedir que os holandeses ocupassem aquela região tão estratégica. A fortaleza continua lá até hoje, e, durante o regime militar, algumas pessoas ficaram presas ali. Além dos altos muros de pedra, existe um enorme fosso, do lado de dentro, o que certamente dificultaria qualquer investida.

Quem lê a Bíblia com fé e humildade, constrói no coração uma fortaleza. O salmista fez exatamente isso: guardou as instruções divinas em seu coração, para que pudesse defender-se do inimigo. No Salmo 119, há outro verso que combina com o verso 11. É o 105, que diz: “Lâmpada para os meus pés é a Tua Palavra e luz, para os meus caminhos”. Além de muralha, a Bíblia é um farol que não somente mostra o caminho, mas também a aproximação do inimigo. Ela nos adverte sobre a maneira como nasce a concupiscência dos olhos. Mostra que o diabo, nosso adversário, “anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar” (I Pedro 5:8).

A Palavra de Deus não é apenas uma arma de ataque; é também arma de defesa. A Bíblia, quando escondida no coração, é espada e ao mesmo tempo escudo. O apóstolo Paulo, antes de descrever a armadura do cristão, diz:

“Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do Seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra sangue e a carne e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Ef 6:10-12).

Reflita sobre isso no dia de hoje e ore comigo agora:

Obrigado, Pai, porque colocas a Tua palavra como luz para o meu caminho e eu posso guardar no coração a Tua palavra para não pecar contra Ti. Eu Te louvo, em nome de Jesus, amém.