[e-News] “Eu estou chocado que existam cristãos celebrando o Halloween”, diz ex-bruxo

No mês de outubro, as celebrações de Halloween (“Dia das Bruxas”) começam a encher escolas, empresas, lares e até mesmo algumas igrejas e isto tem sido motivo de alegria para líderes satanistas, como é o caso do fundador da ‘Igreja de Satanás’, Anton LaVey.

“Estou feliz que os pais cristãos deixem seus filhos adorarem ao diabo pelo menos uma noite no ano. Bem-vindo ao Halloween”, declarou o satanista em certa ocasião.

“Estamos empenhados em nos apressar para honrar o diabo de muitas maneiras. Não vemos nenhum mal no Halloween, porque pensamos que é divertido. Nós pintamos nossos rostos, usamos nossos fantasias inocentes – até mesmo as igrejas ficam decoradas com abóboras para Halloween. Essas ações são como dar a licença do demônio, dizendo: ‘Aqui está minha igreja. Você pode ter isso”, acrescentou o líder satanista.

A declaração de Lavey foi citada pelo evangelista e ex-bruxo John Ramirez em um artigo para o site ‘Charisma News’, com o objetivo de alertar os cristãos de que o Halloween não é uma festividade tão inocente como muitos imaginam.

“[Quando celebramos o Halloween] Pensamos que como ‘não estamos realizando rituais demoníacos’ ou ‘sacrifícios humanos’, ainda estamos em condições seguras, mas você sabia que assim que você se vestir com uma fantasia de ‘Dia das Bruxas’ ou se pintar para isso, está fazendo um convite ao diabo? Porque ao fazê-lo, você e sua família estão se dedicando a comemorar o feriado do diabo. Você acabou de fazer um pacto com o inimigo, e você já está sacrificando seus filhos espiritualmente e mudando suas identidade, quando os veste daquele jeito”, alertou Ramirez.

Pastor John ainda se lembra da época que atuava como bruxo e afirma que naqueles tempos sempre valorizou o Halloween.

“Quando éramos adoradores do diabo, o Dia das Bruxas foi muito especial para nós e esperávamos celebrá-lo porque conhecíamos as implicações e o poder das trevas por trás daquela noite. É muito diferente de todas as outras noites no mundo da feitiçaria. Perguntar a importância do Halloween para satanistas é como perguntar a um cristão: ‘O quão importante é a sexta-feira santa e o domingo da ressurreição para você?’. Halloween tem muito peso e importância para aqueles que habitam no lado da escuridão”, contou.

“Lembro-me dos dias que antecediam o Dia das Bruxas. Nós, adoradores do diabo recebíamos nossas instruções do mundo demoníaco sobre o que devia ser feito e sabíamos que aquela seria uma longa noite. Eu dormia o dia todo para descansar e estar pronto para a meia-noite, para que eu pudesse liberar o inferno no mundo até as primeiras horas da manhã seguinte”, acrescentou.

Ramirez explicou que muitas igrejas que celebram o Halloween mudam o nome da festividade na tentativa de “amenizar” o escândalo que ela poderia causar entre as pessoas, mas alertou que isto não tem validade se a intenção continua a mesma.

“Algumas igrejas removem a palavra ‘Halloween’ e em vez disso a chamam de ‘colheita’, mas seus membros continuam se vestindo com fantasias, dando doces e balançando maçãs. Isto entristece o meu coração. Esta tentativa de ‘afastar’ este ‘feriado’ não está adiantando em nada”, explicou.

Ramirez ainda rebateu a justificativa de igrejas que alegam celebrar a ‘colheita’ (Halloween disfarçado) com uma finalidade “evangelística”.

“Se estas igrejas estão tentando usar certas celebrações seculares para fins evangelísticos, para ganhar almas, aqui está a minha proposta como pastor: eu promoveria uma noite de cinema bíblico com pipoca e refrigerantes para crianças e adultos e convidaria amigos e familiares não cristãos”, disse.

“Minha intenção com este evento seria expor a origem e os perigos do Dia das Bruxas, depois transformá-la em uma ótima noite de cinema, com um pequeno ensinamento da Palavra de Deus sobre Seu amor e a obra acabada da cruz, depois do filme. Finalmente, eu faria apelo para quem quisesse se entregar a Jesus e tornaria aquela noite ainda mais especial para que todos se lembrassem dela”, afirmou. “A única colheita que devemos celebrar é a colheita de almas”.

Para muitos que celebram o Dia das Bruxas, essa celebração acontece até o primeiro dia de novembro, que também é conhecido como o Dia de Todos os Santos, que antecede o Dia de Finados, mas segundo Ramirez “não há nada de santo nisso – é demoníaco”.

“Estou surpreso com a forma como o mundo abraça este feriado, porque o Dia de Todos os Santos é enganador. Nós temos uma imagem em nossas mentes que parece sagrado, mas não há nada de inocente sobre isso. Este feriado é praticado em toda a América do Sul e Central e partes distantes do mundo, e até mesmo nos Estados Unidos”, contou.

“Para a cultura espanhola, é chamado de ‘Dia de Muertos’, e eles celebram os mortos através de rituais e cerimônias e até visitas aos cemitérios. No YouTube mesmo podemos ver mais informações sobre do que se trata este dia. Este feriado não tem nada de santo, nem nada a ver com os santos”.

Mas como é possível combater essa escuridão como mensageitos das boas novas de Jesus? A pergunta contundente foi respondida por Ramirez ao final de seu artigo.

“Na Bíblia, quando o Senhor chama aqueles fiéis a Ele de ‘santos’, este termo significa que fomos santificados pelo sangue de Jesus Cristo e pela obra da cruz. Estamos separados para as boas obras e para glorificar a Deus”, lembrou o pastor.

“Como ministro, eu usaria o Dia de Todos os Santos para virar a mesa sobre o diabo e para celebrar a minha salvação e a salvação da minha família e entes queridos. Eu usaria isso como uma oportunidade evangelística na minha igreja para trazer pessoas não salvas para ouvir testemunhos da bondade de Deus e como Ele pode transformar suas vidas também. E naquela noite, eu daria ao diabo uma grande derrota em nome de Jesus, porque muitas almas seriam salvas”, finalizou.

Fonte

Antes de dar um celular para seu filho deixe-o experimentar o tédio – por Daniel Becker


Crianças permanentemente distraídas com o celular ou o tablet. Agenda cheia de tarefas e aulas depois da escola. Pais que não conseguem impor limites e falar “não”. Os momentos de lazer que ficaram restrito ao shopping Center, em vez de descobertas ao ar livre. Quais as implicações desse conjunto de hábitos e comportamentos para os nossos filhos? Para o pediatra Daniel Becker, esses têm sido verdadeiros pecados cometidos à infância, que prejudicarão as crianças até a vida adulta. Pioneiro da Pediatria Integral, prática que amplia o olhar e o cuidado para promover o desenvolvimento pleno e o bem-estar da criança e da família, Becker defende que devemos estar mais próximos dos pequenos – esse, sim, é o melhor presente a ser oferecido. E que desenvolver intimidade com as crianças, além de um tempo reservado ao lazer com elas, faz a diferença. Para o bem-estar delas e para toda a família.

A tecnologia é uma dimensão da nossa vida. Hoje o celular é televisão, loja, livro, cinema, brinquedo, meteorologista, até médico. O problema é a forma como utilizamos essa tecnologia. O excesso do uso do smartphone nos tira do convívio com o outro. Faz-nos mergulhar em uma distração sem fim, que nos remove do momento presente, dos relacionamentos, do afeto. Confunde o tempo de trabalho com o tempo de lazer e família, não preservando momentos fundamentais, justamente o período que deveríamos passar com os nossos filhos. Tira a comunicação, o olhar. As referências anteriores eram os pais e a família. E agora essas referências se diluem e se tornam apenas a mídia do smartphone, que está sempre ao nosso lado. Esse excesso de uso, que nos remove das relações mais importantes, é bastante perigoso.

A consequência quando os pais permanecem muito tempo online

A gente tem se queixado que as crianças ficam no smartphone, mas os pais que oferecem o aparelho aos filhos fazem isso para ter sossego e para eles próprios ficarem no smartphone, para que tenham um pouco de tempo para si. O problema, repito, é o exagero. Há pais que, enquanto examino o filho durante a consulta médica, ficam no celular. Estamos tomados por esses acessórios. Então é preciso analisar o contexto da família. O que está levando a esse excesso de imersão da criança no smartphone? Não adianta colocar toda a culpa na família; precisamos entender o contexto social e, a partir disso, propor mudanças e atitudes transformadoras. Qual comportamento estamos mostrando para os pequenos? Existe relação sem telefone? Onde a gente não leva o telefone? Vamos para o parque sem os aparelhos? Nas viagens de carro, há momentos de conversa? E durante as refeições?

Qual a importância de os pais acompanharem o que as crianças assistem, por exemplo? Repare em todos os desenhos onde existe pai e mãe. Veja como esse pai e essa mãe são representados. É impressionante. Sem teorias conspiratórias, mas muitos desenhos são bancados por publicidade. E a quem interessa dizer à criança que o pai é bobinho? A ridicularizá-lo? Se o papai diz que não é bom, ele é bobo, não sabe de nada. É dessa forma que os pais são retratados em inúmeras animações. Essa desautorização da família vem de um processo midiático e publicitário muito inteligente. Você acha que isso é à toa? Eu acho que a criança pode assistir TV, se os pais estiverem por perto e fazendo uma mediação; se interagir com a criança enquanto ela assiste ao desenho e desenvolver essa visão crítica nela sobre como os pais estão sendo retratados, há salvação. Mas, se a criança está imersa, sem os pais por perto, é muito difícil que não absorva esses valores distorcidos.

O tédio é necessário para desenvolver a mente

A vida urbana não permite que a criança extravase sua energia. Tem criança que fica de oito a dez horas conectada a aparelhos, seja o smartphone, o tablet ou mesmo a TV. Elas não têm mais direito a um momento de consciência. Elas ficam o tempo todo distraídas, ocupadas, ‘ligadas’. E o tédio é a fonte da criatividade. A mente vazia é aquela voltada para si mesma, com pensamentos mais autorreflexivos. É aí que vai surgir a criatividade, e não em uma mente preocupada em consumir conteúdo que só a distrai, como nos celulares. Aula de inglês, vôlei, natação são bacanas, pois a aquisição de habilidades é ótima. Mas desde que venha contrabalanceada com horas livres. A criança precisa de tempo desestruturado para brincar. E não fazer só um roteiro estipulado pelos outros, só absorver as mensagens externas. Ela precisa da possibilidade de chegar em casa e brincar com o que quiser, ou ir para o parque e se divertir como preferir. Brincar sozinho também é uma atividade geradora de inteligência, de criatividade, de lidar consigo mesmo. O brincar é uma arte que simula a vida. A criança que sabe brincar é um adulto que sabe viver. Os pais precisam inserir seu filho em um mundo onde há brinquedos, em que ele pode assumir o papel ativo, criar um roteiro, dizer quem é aquele personagem que inventou. Se você oferece um boneco do Homem Aranha, por exemplo, o roteiro já está dado. Não há imaginação. O tédio não é deixar o filho sem fazer nada. É permitir, por exemplo, que ele possa ficar no balanço de uma pracinha. Sobe e desce. É um momento dela com ela mesma, uma meditação.

As formas de lazer que as crianças têm

Percebo que cada vez mais pessoas preferem o shopping center ao parque. E o shopping nada mais é do que a extensão desse sistema de consumo, de publicidade. O lazer virou consumo, o consumo virou lazer. Nesse centro de compras, a criança vai ter a continuidade das mensagens que recebeu na TV, no celular, no tablet. Ela viu o anúncio do brinquedo e vai chegar no shopping e ir correndo para a loja. Muitas famílias desperdiçam recursos preciosos comprando brinquedos caros que já vêm com o script pronto, não oferecendo um bom mecanismo de desenvolvimento à criança. É uma pena que o lazer esteja se tornando o shopping. A natureza é ótima para a família como um todo. Tenho trabalhado para que esse tema vire uma bandeira de toda a sociedade. O lazer externo traz inúmeros benefícios. Ele afasta um pouco a gente da tela. Não dá para andar de bicicleta, correr ou subir na árvore com um tablet na mão. Também é uma forma de melhorar o convívio direto e interativo entre pais e filhos. Além disso, essas crianças vão ver crianças diferentes, branco vai ver negro, criança pobre vendo criança rica. O convívio com as diversidades gera empatia e compreensão das diferenças. Além, é claro, dos benefícios da própria vivência ao ar livre, o sol, o vento, as árvores. Eles reduzem agressividade, alergias, distúrbios do sono, melhoram a socialização e aumentam a inteligência, além de outros inúmeros benefícios comprovados cientificamente.

Trecho da entrevista de Daniel Becker à Débora Zanelato, do site Vida Simples Digital

DANIEL BECKER é pediatra formado pela UFRJ e mestre em Saúde Pública pela FIOCRUZ. Foi pediatra do Médicos sem Fronteiras na Tailândia e um dos criadores do Programa de Saúde da Família. Fundou e trabalhou no Centro de Promoção da Saúde (Cedaps), ONG que é referência em saúde de comunidades populares. É pioneiro da Pediatria Integral e também atua como palestrante, escritor e consultor de fundações e empresas

[Exortação] ROMANOS 13.1-7 IMPEDE QUE CRISTÃOS PROTESTEM CONTRA O GOVERNO?

 

protesto

Romanos 13.1-7 é um texto bíblico usado e abusado para justificar o silêncio e a omissão por parte dos cristãos, mesmo diante de governos autoritários ou totalitários. Está escrito:

“Toda a alma esteja sujeita às potestades superiores; porque não há potestade que não venha de Deus; e as potestades que há foram ordenadas por Deus.
Por isso quem resiste à potestade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação.
Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela.
Porque ela é ministro de Deus para teu bem. Mas, se fizeres o mal, teme, pois não traz debalde a espada; porque é ministro de Deus, e vingador para castigar o que faz o mal.
Portanto é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência.
Por esta razão também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo sempre a isto mesmo.
Portanto, dai a cada um o que deveis: a quem tributo, tributo; a quem imposto, imposto; a quem temor, temor; a quem honra, honra.”

Romanos 13:1-7

Mas deve-se levar em conta os seguintes pontos:

1. Na Epístola aos Romanos o poder pertence exclusivamente a Deus. As “autoridades do governo” nunca são chamadas de “poder” ou “poderes”, como se convencionou chamar na linguagem política contemporânea. Na Epístola, o único que tem poder é Deus, que vem a nós através do evangelho, que é Jesus Cristo, o único Senhor, e Senhor de todos.

2. A “autoridade” em Romanos 13.1-7 pode e deve ser interpretada como a estrutura de governo (no caso romano, o senado, que detinha as prerrogativas legislativa, judicial e eleitoral, e o imperador, o supremo comandante militar – pelo menos tecnicamente dois poderes co-iguais de governo, no século I d.C.). O apóstolo, em momento algum, personaliza a autoridade, nomeando-a: César, Augusto, etc.

3. Romanos 13.1-7 trata da autoridade legítima ideal e a define: esta é serva (a palavra usada é “diakonos”, que pode ser traduzida como ministro, administrador ou empregado) de Deus para o bem dos cidadãos; recompensa o bem que é feito pelos que estão sob o seu governo; e detém o poder da espada, sendo agente de punição contra quem pratica o mal – e por cumprir tais prerrogativas ordenadas por Deus, os cristãos se sujeitam “por causa da consciência” a tal autoridade e pagam impostos.

4. Quando as autoridades deixam de servir aos cidadãos, louvar o bem e punir o mal, DEIXAM DE SER AUTORIDADE LEGÍTIMA.

5. Logo, não são mais ordenadas por Deus. Se tornam a besta que surge do mar (Ap 13.1-10), tentando ser o idolátrico “Estado total”, que exige culto e submissão. E devem ser resistidas de toda forma legítima pelos cristãos, inclusive por meio da desobediência (como os apóstolos e cristãos mártires fizeram a partir do último quarto do século I d.C.).

Portanto, Romanos 13.1-7 não deve ser usado para justificar passividade ou omissão diante daqueles que traíram seu chamado e perderam a legitimidade de fazer parte da autoridade e ordem que vem de Deus.

Em países em que estes pontos foram compreendidos nunca houve ditaduras: Suíça, Holanda, Inglaterra, Escócia e Estados Unidos.

Por Franklin Ferreira

[Assunto Polêmico] O que importa numa música cristã é apenas a ‘Letra’? Todos os ritmos musicais realmente edificam?

ritmos

Estamos vivendo dias difíceis no meio evangélico!! Com a popularização da música gospel, aliada à secularização da Igreja, vários estilos musicais começaram a ser usados, afim de facilitar uma aproximação com os que se encontram perdidos!! [Dar uma ajudinha ao Espírito Santo né? Já que oração e pregação da Palavra num é suficiente!! aiai…*estou sendo irônico]

Desde então, conflitos têm surgido à respeito dessa atitude que, para alguns poucos[como eu], seria considerada profana!! Uma maculação do verdadeiro Louvor!!

Desde que o Louvor foi “profanado” percebemos que o “crente” tem perdido a sua distinção, sua separação, ou seja, sua santificação, ou melhor, sua identidade cristã!

Atualmente quase não se vê diferença entre um cantor cristão e um não cristão! Eles se vestem do mesmo jeito, falam do mesmo jeito, usam as mesmas técnicas, possuem as mesmas gravadoras, usam os mesmo estilos, pulam do mesmo jeito… mas graças a Deus um deles ainda usa o nome de Jesus “nalgumas letras mal feitas” que mais atrapalham do que promovem o discernimento espiritual!! Triste!!

Será que citar o nome de Jesus santifica o estilo musical?? Será que todo estilo musical edifica?? Essas perguntas são bem respondidas e com evidências científicas , na Palestra abaixo!!

Se você é um cristão que tem percebido algo de errado nesse movimento gospel e deseja possuir melhores argumentos, afim de esclarecer a verdade aos incautos irmãos que estão “embriagados”, assista, compartilhe, faça download e distribua a Palestra abaixo, em nome de Jesus!

Paz….

[Exortação] Qual o problema em ficar?

Ficar

Não é difícil escutar em conversas entre os jovens, comentários sobre com quem “ficaram” ou com quem estão “ficando”. O “ficar” é um termo atual não no sentido original, mas representando um relacionamento breve, passageiro, descompromissado e imediatista entre os jovens. “Essa moda começou nos anos 90 em nosso próprio país, antes o beijo e o carinho só acontecia quando o casal estava namorando ou dentro de um contexto de compromisso sentimental, diferente do que muitos pensam, não são todos os países que aderiram esse costume de beijar sem se envolver” afirma o psicoterapeuta Flávio Gikovate.

A questão do “ficar” também é assunto nas igrejas brasileiras, muitos jovens evangélicos acreditam que “ficar” é o primeiro passo para conhecer uma pessoa ou para começar um relacionamento, outros acreditam que não faz diferença em “ficar” ou “não ficar”. Já maioria dos pastores do cenário brasileiro descordam das “justificativas” dos jovens que beijam sem antes ter um compromisso, a maioria das igrejas não vem problema do casal se beijar no namoro, mas não aprovam o “ficar” antes do relacionamento começar. Mas por que seria errado “ficar”? Qual o problema nisso?

Para responder essa questão vamos analisar de uma forma diferente, já ouvi explicações de que “ficar” é um ato sem compromisso e agir sem um propósito desagrada a Deus (Provérbios 19:21), também já aprendi que é um grave erro querer conhecer alguém através do “ficar”, pois isso demonstra que nosso foco inicial não é conhecer a outra pessoa, tentar um relacionamento com alguém que você não conhece bem e sem direção de Deus é chamado de “vontade da carne” pela bíblia, ação que desagrada a Deus (Romanos 13:14). Também ouvi um pastor declarar a seguinte frase:

“Não se preocupe em conhecer a pessoa pelo beijo, ensinar a pessoa beijar depois é fácil, difícil é ensinar uma pessoa a ser fiel a Deus e a você”.

Acredito que essas justificativas são muito válidas, mas podemos analisar essa questão de uma forma diferente, tente imaginar como Jesus trataria esse tema, será que Jesus se importaria se estou “ficando” ou não?

O tema “ficar” em si não era algo da época de Jesus, mas o objetivo do evangelho nunca foi dizer se isso ou aquilo é errado, e sim transformar o coração das pessoas, o objetivo de Jesus não era proibir as pessoas de fazer algo e obriga-las a fazer outra coisa. Em 1 Corintios 6:12 está escrito:

“tudo me é permitido, mas nem tudo me convém, tudo me é permitido, mas eu não deixarei que nada me domine”

Você é livre pra fazer o que quiser, mas conforme o evangelho vai entrando em nosso coração percebemos o que convém e o que não convém fazer, percebemos o que agrada o Espirito de Deus e o que não agrada. Alguns podem descordar de mim, mas se Jesus estivesse em carne hoje não proibiria ninguém de ficar, imagino Jesus ensinando o evangelho do reino,  se relacionando conosco a ponto de percebemos quão besta e insignificante é o “ficar”, ou fazer qualquer outra coisa sem a direção de Deus e propósito. Se você ainda tem dúvida de qual o problema em ficar, a resposta é simples, tudo depende de quanto o evangelho está em você, tudo depende de até que ponto você está se relacionando com Deus. Temos que concordar em uma coisa, pense comigo, nós queremos experimentar a Deus sem compromisso e acabamos fazendo o mesmo nos relacionamentos com pessoas, se não conseguimos ter o compromisso com Deus em oração, em entrega e em amor, o que dizer sobre o “ficar”?

Bom é saber que Jesus continua atuando hoje, querendo transformar nosso coração, querendo nos levar até a sua vontade como está escrito em Romanos 12:2:

“Não vos conformeis com este mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, assim conheceram a vontade de Deus, que é boa, perfeita e agradável”.

Que Deus nos ajude e busquemos ao Senhor até seu evangelho nos desprender de nós mesmos. Amém!

Fonte: GospelPrime

SUPLEMENTO

Entendam como se desenvolve um Namoro Cristão:

[e-News] As igrejas que apoiam o casamento gay são de Satanás – afirma pastor

jonhmcarthur

As igrejas que toleram o casamento entre pessoas do mesmo sexo “pertencem a Satanás”, denunciou o pastor John MacArthur.

O pastor da Igreja Comunidade da Graça em Sun Valley, Califórnia, disse em uma entrevista recente ao TheBlaze que as congregações liberais “não têm qualquer lealdade para com a Bíblia.”

“Você vai a cada um desses seminários… durante um século (eles) tem sido os negadores da autoridade bíblica, não tem nenhuma relação com as Escrituras, elas são a igreja apóstata, são a igreja de Satanás”, disse ele.

MacArthur, famoso por suas posições conservadoras, disse que aqueles que apoiam a homossexualidade têm feito leituras bíblicas de uma maneira “deformada” e “totalmente irracional”.

“A condenação de Deus para com a homossexualidade é muito clara e está em oposição em todos os momentos”,escreveu em um artigo intitulado “O plano de Deus para a agenda gay”

“Como cristão, não devo comprometer o que diz a Bíblia sobre a homossexualidade. Não importa o quanto se deseja ser compassivo para com os homossexuais. Tua simpatia e tua exaltação devem ser para Deus. Os homossexuais são desafiadores e sempre tem se revelado contra a vontade de seu Criador. Desde o principio Deus “fez o homem e a mulher” (Mateus 19:4)”.

“Não se deixe intimidar pelos defensores dos homossexuais e seu raciocínio fútil, os seus argumentos são infundados”, ressaltou MacArthur, atraindo uma onda de críticas, principalmente por ter acrescentado que ‘a irá de Deus, como se descreve no livro de Romanos, cairá sobre os Estados Unidos como o resultado da liberalização’.

MacArthur exortou os cristãos a defender as suas crenças e defender a religião conservadora. Esta não é a primeira vez que MacArthur tem suscitado controvérsia. Ele realizou uma conferência no ano passado, intitulado “Fogo Estranho” fogo estranho, onde condenou veementemente o movimento carismático, dizendo que “tem aberto as portas do maior erro teológico do que qualquer outra aberração teológica sobre os dias de hoje.”.

Portal Padom