[Maná] Um alto conceito do casamento

“Foi dito: ‘Aquele que se divorciar de sua esposa, deverá dar-lhe certidão de divórcio’. Mas Eu lhes digo que todo aquele que se divorciar de sua esposa, exceto por imoralidade sexual, faz que ela se torne adúltera, e quem se casar com a mulher divorciada estará cometendo adultério” (Mateus 5:31 e 32, NVI)

Um ponto claro como cristal do Gênesis ao Apocalipse, é a santidade do casamento. Deus não só criou nossos primeiros pais, como também abençoou o casamento e disse que os dois tornam-se uma só carne. Jesus defendeu a santidade do matrimônio, tanto em Mateus 5 como no texto com ele relacionado em Mateus 19:1-9.

Michael Green observa que Jesus salientou diversos aspectos importantes do casamento nestas duas passagens. Primeiro, que o casamento foi planejado por Deus. É uma ordenança estabelecida por Deus e não um mero contrato social.

Em segundo lugar, o casamento é uma ordenança feita entre os dois sexos. Deus os criou – “homem e mulher os criou”. A intenção de Deus não era criar um mundo unissex. Conforme Green comenta: “Há diferenças e funções complementares entre os sexos que são estabelecidas por Deus. Isso é tão óbvio que só precisa ser declarado neste fim de século, quando o homossexualismo chegou a ser considerado uma alternativa igualmente válida para o casamento”.

Em terceiro lugar, o plano é que o casamento seja permanente. Nunca houve a intenção de que o relacionamento conjugal fosse quebrado. Qualquer desvio da perpetuidade do casamento é um declínio do ideal.

Em quarto lugar, ele é exclusivo. As duas pessoas – não três, quatro ou cinco – devem tornar-se uma só carne. Um homem e uma mulher devem se unir. Esse ideal descarta os romances convenientes de tantos povos modernos e a poligamia dos antigos. Aparentemente, o fato de Deus permitir a poligamia no Antigo Testamento era uma concessão não ideal para um costume arraigado e uma fraqueza humana. Além do mais, provia segurança para o sexo feminino em culturas onde o mesmo não tinha direito algum e nem havia homens suficientes.

Em quinto lugar, o casamento cria um núcleo familiar. Isso inclui deixar os pais e unir-⁠se ao cônjuge. Assim, o casamento se torna o mais forte e o mais importante de todos os relacionamentos humanos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s