[Exortação] “Mamãe Devia Ter Me Ensinado a Depender Financeiramente do Meu Marido – Parte 1″ por Simone Quaresma

donadecasa2

“Depender emocionalmente e espiritualmente de meu marido já é difícil. Depender financeiramente já é demais!!” “Pedir dinheiro ao meu marido até para comprar um batom?? Nem pensar.” “E se acontecer alguma coisa de ruim? Se ele ficar doente, me abandonar ou morrer?” Estas e dezenas de outras perguntas povoam a mente das mulheres cristãs de nossos dias, quando descobrem que sua missão de mãe e de esposa não são compatíveis com prover financeiramente para uma família. Neste momento, quando ela se dá conta de que o trabalho que a aguarda é tão gigantesco que tomará praticamente todo seu tempo, as dúvidas sobre como sobreviverá sem seu próprio dinheiro e a possibilidade de depender exclusivamente do salário do marido as atormentam. Como viver apenas com um salário? Como poderemos tirar férias sem o meu 13º? E o planejamento da compra da casa própria, que eu pagaria mais da metade da prestação? Como trocaremos de carro? Como?! Só o salário dele não é suficiente!

Em Gênesis, quando a primeira família é formada, Deus dá a cada um, homem e mulher, suas principais funções. O homem é o líder, o que recebe a Lei de Deus e aquele que protege e cultiva o jardim. Ao homem cabia plantar e colher, prover o sustento de sua família (Gn 2.15). Mais tarde, depois da queda, vemos a reafirmação dos papéis de cada um. A maldição por causa do pecado que atinge a cada um, homem e mulher, são lançadas sobre sua esfera de ação, naquilo que o Senhor havia designado para que fizessem, nos mandatos que o Senhor fixou a cada um deles.

“E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido e ele te governará”(Gn 3.16). E a Adão disse: …maldita é a terra por tua causa; em fadigas obterás dela o sustento durante os dias da tua vida. Ela produzirá cardos e abrolhos, e tu comerás a erva do campo. No suor do teu rosto comerás o teu pão.” (Gn 3.17-18).

Neste texto, percebemos claramente que a maldição recaiu sobre a mulher no seu principal papel, o de mãe e esposa, e sobre o homem, no papel de provedor.

Também percebemos a mesma descrição dos papéis lá no Salmo 128.1,2 e 3:

“Bem aventurado o homem que teme ao Senhor e anda nos seus caminhos”. Como se organiza a vida familiar deste homem que ama ao Senhor e quer pautar sua vida pelas ordens dadas por Deus? “Do trabalho de tuas mãos comerás, feliz serás, e tudo te irá bem. Tua esposa, no interior de tua casa, será como a videira frutífera…”

Percebem a disposição das coisas? Percebem que cada um está atacando uma área? Percebem que eles são uma equipe?

O que tem acontecido nos dias de hoje é que os dois estão saindo para obter o pão (o pão ou o luxo??), e ninguém fica “no interior da tua casa”. Marido e mulher têm corrido para fora de casa, ambos para cumprirem o papel de provedor que Deus deu ao homem, e o papel de mãe e esposa fica para ser ‘cumprido’ por empregadas, babás, sogras e creches. Todo mundo sai de casa, todo mundo desempenha o mesmo papel e deixa um rombo, naquilo que o Senhor ordenou para a família.

Numa empresa, por exemplo, se todos resolverem trabalhar na mesma função, como ficarão as outras? Como gerir um negócio que tem dez sócios que desempenham o mesmo papel? Esta empresa está fadada ao fracasso. Não é diferente com nossas famílias. Cada um tem sua área de ação, cada um tem responsabilidades que foram dadas por Deus e serão cobradas.

Não quero dizer com isso que mulheres casadas não possam gerar renda. Há muitos modos de fazê-lo. Conheço mulheres que vendem produtos de beleza, outras que revisam textos para editoras em casa. Eu mesma fiz e vendi bijuterias durante vários anos. A questão que estamos abordando aqui é quando a mulher delega suas responsabilidades com a casa, o marido e os filhos, para ganhar dinheiro, dentro ou fora de casa. Quando ela se sente responsável por prover a família, ou quando seu marido exige que ela contribua com o orçamento da casa, negando-se a ser o provedor de sua família, aí temos um problema instalado!

Mas o que será que leva as mulheres cristãs de hoje a abandonarem seus postos como cuidadoras de suas família e abraçarem com tanto afinco o papel de provedor dado por Deus ao homem? Gostaria de compartilhar com vocês algumas prováveis situações que as levam a isso, mostrar onde estão erradas e qual a solução para cada caso.

Medo de ter que pedir dinheiro até para um batom

Este é um medo clássico que brota no coração de mulheres imersas numa cultura feminista. Como será a minha vida se eu tiver que pedir dinheiro ao meu marido para minhas necessidades mais básicas? Seria muita humilhação!

Na verdade, pensar assim é ignorar por completo a forma como Deus designou que uma família funcionasse. Este pensamento provém de uma distorção dos padrões familiares instituídos por Deus. Isto é compartimentar a família, é não entender que os dois são um, que tudo que pertence a um, pertence ao outro, que todos os ganhos são destinados ao bem comum. O casamento não é uma união onde duas pessoas têm vidas paralelas, cuidam das próprias necessidades e apenas se encontram para jantar e dormir. O casamento é uma associação que visa o bem estar e o crescimento mútuo, onde tudo gira em torno do bem comum. E na área das finanças do casamento não poderia ser diferente!

Ouço muitas mulheres dizerem que se sentem humilhadas por não terem seu ‘próprio dinheiro’, por não ganharem um salário! Ora, o salário de seu marido é o seu salário! Ele foi constituído provedor exatamente para te sustentar! Isto não é um favor, é uma obrigação! Você foi constituída auxiliadora idônea justamente para dar a ele condições, ao ficar na retaguarda, para que ele vá o mais longe possível no trabalho e nos estudos, sem preocupação alguma, pois tem alguém de confiança cuidando de sua casa e dos seus filhos. Ele está livre para ganhar o sustento da família! Você está ali para suprir a casa enquanto ele está nas ruas! Não é esta a descrição da mulher virtuosa de Provérbios 31? Lá está aquela mulher trabalhadora, que levanta ainda noite para cuidar da casa, fazer roupas, vender o que sobra aos mercadores. Ali está ela, no interior de seu lar, dando ordens às criadas, atendendo ao bom andamento de sua casa e falando e instruindo com sabedoria. Ela cuida até dos necessitados ao redor. O coração do seu marido confia nela! Ele está livre para se assentar com os anciãos da terra e cumprir com seus deveres na sociedade. Ele tem toda a logística da casa funcionando bem! Ele é estimado entre os juízes que reconhecem como sua vida familiar é bem ordenada. Eles são um time!

Esta mulher parece se sentir humilhada por não estar, ela mesma, assentada entre os anciãos da terra? De forma alguma! Ela é, isso sim, louvada por seus filhos que a chamam ditosa, e por seu marido que reconhece seu magnífico trabalho na manutenção da boa ordem do lar e diz: “muitas mulheres procedem virtuosamente, mas tu a todas sobrepujas.”

Outro texto que nos trás à lembrança a justiça feita para com os que ficam na retaguarda é I Samuel 30. Naquela ocasião, Davi, fugitivo pelos desertos com seus homens, teve suas mulheres e crianças levados cativos pelos amalequitas. Na estratégia de recuperá-los, Davi ordenou que parte do grupo, que estava mais cansado, ficasse guardando a bagagem de todos. O restante partiu para a peleja e recuperaram as mulheres, crianças, gado e absolutamente tudo que os amalequitas haviam levado. Quando chegaram de volta, homens maus, chamados de filhos de Belial, sugeriram a Davi que desse aos homens que tinham ficado com a bagagem, apenas suas mulheres e crianças. Eles acharam que estes não tinham direito aos despojos. Mas Davi não concordou com esta injustiça: “Quem vos daria ouvidos nisso? Porque qual é a parte dos que desceram à peleja, tal será a parte dos que ficaram com a bagagem; receberão partes iguais. E assim, desde aquele dia em diante, foi isso estabelecido por estatuto e direito em Israel, até ao dia de hoje.” O princípio de justiça estabelecido aqui é o mesmo! Eles formavam uma equipe e, cada um cumpria a sua parte para que o alvo fosse alcançado e o ‘despojo’ era de todos, igualmente de todos!

Portanto, minha irmã, o dinheiro ‘do seu marido’ não é dele, é da família! E sendo dinheiro da família precisa ser usado para o bem comum, designado para as necessidades de todos e usado com o consentimento de ambos para suprir o todo! Não sinta vergonha de viver da forma como Deus ordenou.

Continua…

Mulheres Piedosas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s